CEOs globais veem recessão em forma de U devido a coronavírus, mostra pesquisa

Muitos executivos temem que suas empresas não sobreviverão à crise causada pelo vírus.

Redação
Compartilhe esta publicação:
gettyimages-Mesquita
gettyimages-Mesquita

A pesquisa constatou que 11% dos presidentes-executivos veem o coronavírus como um risco para a sobrevivência de sua empresa

Acessibilidade


Líderes empresariais globais estão se preparando para uma recessão em forma de U devido ao impacto do coronavírus, e muitos temem que suas empresas não sobreviverão à pandemia, mostrou uma pesquisa com milhares de presidentes-executivos hoje (22).

A pandemia que varreu o mundo já matou quase 180 mil pessoas, derrubou os mercados financeiros e pode desencadear o pior colapso econômico desde a Grande Depressão dos anos 1930.

LEIA MAIS: Arrecadação federal tem pior março em 10 anos

Cerca de 60% dos presidentes-executivos estão se preparando para uma recuperação em forma de U – um longo período entre recessão e recuperação – em comparação com 22% que prevêem uma recessão dupla, de acordo com uma pesquisa realizada entre 15 e 19 de abril com 3.534 executivos de 109 países pela YPO, uma rede de liderança de negócios.

A pesquisa constatou que 11% dos presidentes-executivos veem o coronavírus como um risco para a sobrevivência de sua empresa, enquanto outros 40% dizem que a pandemia representa uma ameaça grave.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Não vemos uma crise como essa há mais de cem anos, e alguns nomes familiares não sobreviverão”, disse Glenn Keys, presidente-executivo da Aspen Medical, empresa de serviços de saúde com sede em Sydney, e membro da YPO.

Líderes empresariais nos setores de hotelaria e restaurantes eram os mais vulneráveis, com 41% dos executivos dizendo que suas empresas corriam o risco de não sobreviver, enquanto 30% na aviação e 19% nas vendas no atacado e no varejo temiam que pudessem falir, revelou a pesquisa.

Há alguns beneficiários, com 10% de líderes de varejo e atacado específicos do setor, além de chefes de empresas de produção agrícola, industrial, mineradora e de serviços públicos, relatando um impacto positivo em suas receitas.

No entanto, a maioria dos executivos espera que as coisas piorem antes de melhorar.

Quase dois terços dos CEOs prevêem que o impacto negativo nos lucros continue por mais de um ano, enquanto um quarto espera que sua força de trabalho caia em mais de 20% em um ano. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: