Confiança da indústria no Brasil tem maior queda já registrada e vai a nova mínima em abril, diz FGV

Fundação Getulio Vargas informou que o ICI caiu 39,3 pontos em abril, para 58,2 pontos.

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS_Paulo-Whitaker
REUTERS_Paulo-Whitaker

A queda de 39,3 pontos foi a maior já registrada pela FGV

Acessibilidade


O Índice de Confiança da Indústria (ICI) do Brasil caiu em abril à maior taxa já registrada na série histórica, atingindo nova mínima recorde, com os efeitos econômicos da pandemia de Covid-19 amargando o sentimento dos empresários e elevando a incerteza sobre o futuro do setor.

Hoje (29), a Fundação Getulio Vargas (FGV) informou que o ICI caiu 39,3 pontos em abril, para 58,2 pontos, maior queda já registrada e menor nível do índice desde o início da série histórica, em janeiro de 2001.

LEIA MAIS: Governo estima fila de 200 mil que não conseguem acessar seguro-desemprego

“O resultado da sondagem da indústria de abril expressa os efeitos nocivos da crise causada pela Covid-19 sobre o setor”, disse em nota Renata de Mello Franco, economista da FGV-IBRE. “A confiança dos empresários no momento presente (…) desabou, e o crescimento sem precedentes do pessimismo em relação ao futuro fez com que o IE superasse em mais de 21 pontos seu mínimo anterior.”

Em abril, o Índice Expectativas (IE), que mede a percepção dos empresários sobre o futuro da indústria, recuou 46,6 pontos, para 49,6, enquanto o Índice de Situação Atual caiu 31,4 pontos, para 67,4. Ambos atingiram novas mínimas da série histórica em abril.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“O cenário para os próximos meses pode gerar novas surpresas negativas caso se mantenha o nível de incerteza elevada”, completou Renata.

Há semanas, medidas de contenção da pandemia de coronavírus têm interrompido boa parte da atividade econômica, com quarentenas e outras ações de distanciamento social fechando lojas e fábricas e mantendo os consumidores em suas casas. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: