Conheça o empreendedor social que transformou US$ 80 em US$ 43 bilhões

Ilustração de Ana Louro - BEHANCE.NET/ANALOURO
Gospatric Home (1933-2020), cofundador da L&Q, faleceu na última Páscoa

Gospatric Home usou um investimento de US$ 80 para se tornar o maior proprietário de Londres, fundando a organização imobiliária sem fins lucrativos L&Q. A história dele é extraordinária.

O ex-major do exército britânico, que serviu na Guerra da Coreia, tornou-se um empreendedor em série e diretor de mídia da publicadora IPC. Sua maior conquista foi o lançamento de uma associação de habitação sem fins lucrativos há 30 anos, que agora possui um portfólio de propriedades de US$ 43 bilhões e abriga centenas de milhares de londrinos. Home, que morreu aos 87 anos de complicações na saúde após uma cirurgia cardíaca durante o feriado da Páscoa, não tem perfil na Wikipedia nem fotos na Getty Image Library. Pouco conhecido, apesar de criar casas para 250 mil pessoas nos últimos 57 anos.

LEIA MAIS: Fanfictions se tornam opção com escassez de lançamentos de livros durante quarentena

O cofundador e presidente da L&Q deixa um legado de 110 mil casas, com mais 100 mil em andamento. Deveríamos ter tempo para apreciar o impacto extraordinário que ele teve, como empreendedor social, filantropo e bilionário cultural.

Os benefícios de seu trabalho terão impacto nas gerações vindouras. Mas a contribuição empreendedora de Gos para a sociedade tem sido amplamente ignorada, o que provavelmente reflete sua extraordinária modéstia. Talvez também mostre nossa obsessão cultural pela riqueza pessoal, por sucessos mais significativos.

Gos e o cofundador Rev Nick Stacey não criaram a L&Q em busca de dinheiro ou atenção. Nenhum deles ficou rico com esse sucesso de vários bilhões. Eles fizeram isso pelos outros.

A princípio, parece contra-intuitivo que eles criaram um império de US$ 43 bilhões a partir do zero, pensando em valores sociais ao invés de lucro. Ao fazer isso, eles produziram um histórico retorno sobre o investimento, que continua a crescer rapidamente. O foco nunca foi o dinheiro. É uma história de inovação com foco em pessoas, uma ideia que se tornou um ecossistema que coloca o impacto social, as pessoas e os interesses de longo prazo na frente e no centro dos planos de negócios. Vamos torcer para que mais pessoas se inspirem nisso.

História humilde da L&Q

Em 1963, o cofundador reverendo Nick Stacey, de 35 anos de idade, era o recentemente nomeado reitor de Woolwich. O trabalho colocava Stacey em contato diário com as famílias locais com necessidade urgente de ajuda. O veterano da Segunda Guerra Mundial, formado na Universidade de Oxford, virou atleta olímpico e depois vigário do sul de Londres. Os problemas recorrentes de sua paróquia o transformaram em um empreendedor social obstinado e em um formidável parceiro de negócios e amigo de Gospatric Home.

Os dois jovens fundadores ambiciosos procuraram entender as dificuldades do mundo real dos pobres e sem-teto de Londres, visitando-os pessoalmente. Em uma visita a um albergue, que cheirava “como repolho e urina velha”, uma mãe mostrou a Gos e Stacey (com 30 anos na época) o terrível porão onde seus filhos dormiam: sua filha de quatro anos havia sido mordida por um rato na bochecha. Tais eram as depravações. Essa era a Londres real nos anos 1960: humilhante pobreza em uma das cidades mais prósperas do mundo. Normalmente, essa cena nunca seria mostrada a trabalhadores da classe média britânica. Era evidentemente um poderoso alerta para os dois, e uma motivação para a vida. Este foi o problema a resolver.

Em 1963, cerca de meio milhão de londrinos estavam na lista de espera por moradias.

Com lendários proprietários de cortiços, o mercado imobiliário em crise e o governo local em crise, novas soluções eram necessárias. De alguma forma, a dupla precisava encontrar uma maneira de ajudar as famílias pobres, comprando ou construindo suas casas, com um dinheiro que não possuíam.

Levantando um capital inicial de US$ 80 (£ 64) com 32 amigos de negócios, a missão dos fundadores era ajudar os pobres e sem-teto de Londres a morar em moradias de melhor qualidade, de uma forma ou de outra. O valor representa US$ 677 no valor em dólar de hoje, ajustados pela inflação. A equipe de Gos e Reverendo Stacey assumiu esse papel de forasteiros que procuram propriedades e maneiras inteligentes de pagar por elas. Eles eram dois ex-militares, aparentemente não intimidados por sua falta de experiência ou falta de financiamento. Ingenuidade, determinação e um pouco de criatividade os levaram passo a passo para comprar a primeira casa, na 2 Wrottesley Road, por US$ 4.300, uma barganha. A ideia era ver se eles poderiam melhorar as coisas, convertendo esta casa em um projeto piloto para os sem-teto. Eles criaram a Quadrant, uma nova associação de habitação. A propriedade continua sendo um albergue até hoje, ajudando mães solteiras e seus bebês.

“Nenhum de nós possuía qualificações em gestão habitacional. Isso significava que não tínhamos nenhum plano nos prendendo, éramos mais aventureiros. Fizemos tudo sozinhos em nosso tempo livre”, recordou Home quando foi entrevistado em 2013.

LEIA TAMBÉM: 3 erros que as pessoas estão cometendo no LinkedIn em tempos de pandemia

Observe que seus esforços notáveis ​​foram, nesses primeiros dias, um trabalho paralelo. Os dois fundadores viram a oportunidade de criar dois ou três novos apartamentos convertendo moradias isoladas, economizando milhares de libras (dezenas de milhares no dinheiro de hoje) e, correspondentemente, criando milhares de libras em valor patrimonial. Eles descobriram que podiam, como iniciantes, encontrar e converter casas tradicionais em vários apartamentos, com muito mais eficiência do que a autoridade local. Para fazer isso, eles tiveram que usar algumas leis de forma criativa. As conversões começaram sem o planejamento da autorização, seguindo o mantra essencial de startups: “É mais fácil pedir perdão do que obter permissão”. Se eles não tivessem ignorado algumas regras nesse estágio inicial, talvez não tivessem conseguido. Deveríamos estar felizes que eles fizeram isso.

Cada propriedade resultou em outras. Depois de 57 anos desde início dessa grande jornada, a organização está prestes a abrigar 500 mil pessoas (o equivalente a 5% da população de Londres), com vários grandes desenvolvimentos em andamento, como o Barking Riverside, uma enorme expansão de empreendimento no rio Tâmisa.

Capitalismo com consciência

Sem perceber na época, os fundadores lançaram o que se tornaria a maior empresa de locação de Londres, começando com uma modesta conversão de casas e depois progredindo na construção de casas alguns anos depois. A L&Q agora lidera grandes desenvolvimentos como a Barking Riverside, como modelo de crescimento. Cada novo projeto é pensado para ter um impacto social significativo: ganhar dinheiro para pagar pela habitação social.

“O modelo de negócios da L&Q era e continua sendo comprometido com os princípios sociais e comerciais”, explica David Montague, CEO da L&Q, que trabalhou ao lado dos dois fundadores por muitos anos. Ele admira a origem da organização: “É realmente uma história extraordinária. A L&Q agora tem 57 anos, e essa combinação de impulso comercial e finalidade social ainda existe. Os valores sócio-empresariais dos fundadores são muito importantes.” A cultura está evidentemente no centro de seu sucesso.

A L&Q gera um lucro substancial com a construção e o aluguel como proprietária-desenvolvedora. Mais de 50% de suas propriedades novas são reservadas para famílias de baixa renda. O excedente de caixa de US$ 252 milhões foi criado em 2019, um lucro impressionante de 21,5%: tudo reinvestido em novas habitações. Isso é capitalismo com consciência.

Como associação, a L&Q segue predecessores como The Guinness Partnership, Octavia Hill e Peabody Trust, que surgiram com a Revolução Industrial. Desde a industrialização britânica, a pobreza tem sido altamente concentrada nas principais cidades e continua sendo um problema até hoje, com uma crescente lacuna nas necessidades de moradias. As associações de habitação eram uma solução inovadora do setor privado para reequilibrar uma economia desfavorável aos pobres. Eles descobriram que é possível sustentar o modelo de moradias subsidiadas fazendo dinheiro novo.

Hoje, a L&Q prospera com um modelo de negócios de subsídios cruzados. De um modo geral, 25% das casas são construídas para venda direta (geração de excedente), 25% para aluguel privado (geração de excedente), 25% para aluguel social (subsidiado) e 25% para propriedade de submercado (produtos subsidiados, como propriedade compartilhada).

Uma parceria com o prefeito de Londres (financiamento público) ajuda a aumentar suas médias para 60% de residências no submercado (40% no mercado comum) no interior de Londres.

Bilionários culturais

Embora não busquem enriquecer com o sucesso desse vasto império imobiliário, Gos Home e Nick Stacey, na humilde opinião deste escritor, são a definição de bilionários culturais. O tipo de bilionários que deveríamos incentivar. A riqueza que eles criaram como empreendedores sociais é sentida por centenas de milhares de pessoas, todos os dias.

E TAMBÉM: Manual da videoconferência: o que fazer e o que evitar

A história deles também é um lembrete oportuno de que não existem barreiras de qualificação para os empreendedores, além daquelas que escolhemos impor a nós mesmos. A história deles nos lembra que empresas devem resolver problemas significativos, da maneira mais inteligente possível, por meio de experimentação, troca e repetição. Que não há substituto para a ação. Talvez isso seja mais relevante hoje do que nunca, dada a crise econômica e social que enfrentamos pelos efeitos destrutivos do coronavírus e o reajuste cultural necessário para trazer de volta à saúde a economia moderna. Vamos precisar de bastante empreendedorismo para mudar isso.

Entre as novas realidades mais urgentes, estará o aprofundamento das crises habitacionais e de refugiados, exigindo que uma nova geração de inovadores intensifique suas soluções. Faríamos bem em aprender com o exemplo empresarial histórico de Gospatric Home, uma fonte contínua de inspiração, à medida que decidimos resolver esses problemas monstruosos. Devemos buscar soluções e sempre lembrar que sucesso não é apenas dinheiro. Trata-se de resolver problemas significativos.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).