Netflix supera previsões de assinantes no 1º tri

Reprodução
Reprodução

A Netflix ganhou mais de 15 milhões de novos assinantes no primeiro trimestre

A Netflix informou hoje (21) que adicionou mais assinantes pagos do que o esperado no primeiro trimestre, com bloqueios globais para conter a disseminação do novo coronavírus forçando as pessoas a ficar em casa e assistir a programas online.

As ações da gigante de streaming, que subiram cerca de 35% este ano, avançaram 4% no after-market.

LEIA MAIS: Netflix cria fundo de US$ 100 milhões para ajudar desempregados de produções de cinema e TV

A demanda por serviços de streaming aumentou nos últimos meses, com o vírus em rápida expansão, que infectou mais de 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo, restringindo o movimento.

Mas alguns analistas acreditavam que assinaturas de serviços de streaming estariam entre os primeiros itens a serem cortados por pessoas em meio a uma onda de demissões e temores de uma recessão econômica por causa da pandemia.

Mas a Netflix adicionou 15,77 milhões assinantes pagos globalmente no primeiro trimestre – bem acima das estimativas dos analistas de quase 8 milhões, segundo a FactSet.

Desse total, 3,6 milhões foram na Ásia-Pacífico, sua região de crescimento mais rápido, enquanto seus assinantes latino-americanos cresceram 2 milhões de assinantes.

A receita total aumentou para US$ 5,77 bilhões, ante US$ 4,52 bilhões. Os analistas esperavam, em média, US% 5,76 bilhões, segundo dados do IBES do Refinitiv.

A Netflix disse que espera adicionar 7,5 milhões de assinantes pagos globalmente no segundo trimestre, em comparação com as estimativas de analistas de 3,81 milhões, de acordo com a empresa de pesquisa FactSet.

(com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).