Bolsonaro anuncia sanção a projeto que dá ajuda de R$ 60 bi a Estados e municípios

Ueslei Marcelino/Reuters
Bolsonaro pediu apoio aos governadores ao veto referente ao aumento para servidores públicos

O presidente Jair Bolsonaro anunciou hoje (21), em reunião com governadores, que sancionará em breve o projeto de auxílio de R$ 60 bilhões para Estados e municípios fazerem frente à crise provocada pela pandemia de Covid-19, doença respiratória provocada pelo novo coronavírus.

Durante a reunião, da qual também participaram os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o presidente pediu apoio aos governadores ao veto referente ao aumento para servidores públicos e ouviu do governador do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), que a maioria dos chefes dos Executivos estaduais apoia o veto.

LEIA MAIS: Bolsonaro sanciona com vetos ampliação do auxílio emergencial de R$ 600

Segundo o presidente, a cota de sacrifício dos servidores é não ter reajuste até 31 de dezembro do ano que vem.

“O motivo dessa pauta é falar para os senhores, porque temos que trabalhar em conjunto, (sobre) a sanção de um projeto que é uma continuidade de outras leis há pouco aprovadas de um auxílio, um socorro aos senhores governadores de aproximadamente R$ 60 bilhões”, disse Bolsonaro na abertura do encontro.

“Nesse projeto, o que a gente pede apoio aos senhores é à questão da manutenção de um veto muito importante, que foi largamente discutido, que atinge parte dos servidores públicos”, acrescentou o presidente.

A reunião, transmitida ao vivo pela “TV Brasil”, aconteceu em uma clima de cordialidade entre o presidente e os governadores, apesar dos atritos e das críticas duras que Bolsonaro faz aos chefe dos Executivos estaduais por causa de medidas de isolamento social para frear a disseminação do coronavírus.

Embora o distanciamento social não tenha sido tema da reunião, nesta manhã, pouco antes do encontro, Bolsonaro criticou os governantes estaduais em comentários feitos a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada.

Depois de ouvir de um apoiador que policiais teriam obrigado participantes de uma carreata em Fortaleza a tirar bandeiras do Brasil de seus carros –o que foi negado pela Polícia Militar local– Bolsonaro disse aos presentes que o país precisa “sentir na pele” quem são os governadores.

VEJA TAMBÉM: BC pede produção extra de dinheiro para pagamento do auxílio emergencial

“O que está acontecendo? Tudo é informação… Você tem que tomar conhecimento do que está acontecendo, mais gente, para entender para onde o Brasil estava indo com essas pessoas. O grande recado é esse”, disse.

“Imaginem uma pessoa do nível dessas autoridades estaduais na Presidência da República, o que teria acontecido com o Brasil já. Esse é o recado. Então vocês vão ter que sentir um pouco mais na pele quem são essas pessoas para, juntos, a gente mudar o Brasil. Mudar, à luz da Constituição, da lei, da ordem.”

Em seguida, um outro apoiador criticou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e comentou que não é Bolsonaro quem pede “intervenção militar”, mas “o povo de São Paulo”.

O presidente não rechaçou o comentário, mas disse que não iria responder.

“Eu não vou responder, alguém vai falar que eu sou contra ou a favor, eu não vou responder o teu questionamento”, disse. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).