Carrefour Brasil é investigado por suposto esquema de corrupção no Atacadão em SP

Regis Duvignau/Reuters
Subsidiária local do grupo supermercadista francês Carrefour teve receita bruta de R$ 62,22 bilhões em 2019

A cidade de São Paulo abriu um processo administrativo contra a unidade de atacarejo do Carrefour Brasil por um suposto esquema de corrupção, segundo uma publicação no Diário Oficial da cidade de hoje (28), em um processo que pode levar a uma multa de até 20% do faturamento bruto do grupo em 2019.

O caso está relacionado a uma denúncia do Ministério Público do Estado de São Paulo, que revelou pagamentos somando cerca de R$ 1,5 milhão a fiscais da prefeitura para operar a sede administrativa do Atacadão e uma loja contígua da bandeira em São Paulo sem alvará de funcionamento.

VEJA TAMBÉM: Carrefour Brasil: lucro do 1º trimestre cai 17,7% na comparação anual

O Carrefour Brasil não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Em março, promotores do Grupo Especial de Delitos Econômicos (GEDEC) liderados por Roberto Bodini apresentaram uma denúncia de corrupção ativa contra Carlos Augusto Monteiro Barros, Sergio Garcia Martins, Marco Aurelio Natale Da Silva e John Kenedy Oliveira, citados no processo como representantes do Atacadão.

O novo inquérito administrativo aberto pela Controladoria Geral do Município de São Paulo tem prazo inicial de 180 dias, prorrogáveis por igual período.

Se o Atacadão for responsabilizado, a empresa deverá pagar uma multa que pode variar de 0,1% a 20% de sua receita bruta do exercício anterior à instauração do processo.

A subsidiária local do grupo supermercadista francês Carrefour teve receita bruta de R$ 62,22 bilhões em 2019, dos quais R$ 42,05 bilhões vieram do Atacadão. Não estava imediatamente claro se a multa é calculada com base nos números consolidados ou nos resultados somente do Atacadão.

E AINDA: Carrefour Brasil vê e-commerce triplicar após coronavírus

“Verificamos que pelo menos desde 2007, quando Carrefour comprou o Atacadão, o prédio da sede administrativa na Vila Maria e a loja contígua à matriz não tinham alvará de funcionamento”, disse o promotor público Roberto Bodini à Reuters em entrevista, acrescentando que a licença só foi obtida em 2015.

“Pode ser que tenha havido pagamento de volumes maiores, em dinheiro, que não conseguimos detectar… Os R$ 1,5 milhão foram pagos por meio de nota fiscal emitida por empresa laranja”, explicou Bodini. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).