CEO da Pfizer, Albert Bourla, aposta US$ 1 bilhão em vacina para a Covid-19

GettyImages/ Steven Ferdman
Albert Bourla está por trás do esforço da Pfizer para encontrar uma vacina para a Covid-19

No meio do mês de março, o chefe da Pfizer, Albert Bourla, fez uma vídeo chamada WebEx com os líderes dos grupos de pesquisa e fabricação de vacinas da gigante farmacêutica americana. As duas equipes haviam trabalhado até tarde da noite em um plano de desenvolvimento robusto para a vacina experimental para Covid-19 da Pfizer e disseram a Bourla que pretendiam disponibilizá-la rapidamente. Poderia estar pronta em algum momento de 2021.

“Não é o suficiente”, disse Bourla. Os rostos dos pesquisadores mostravam a tensão do momento. Consciente do incrível esforço que fizeram, Bourla fez questão de agradecê-los, mas também continuou pressionando. Ele perguntou para as pessoas na ligação se elas achavam que o vírus poderia voltar no outono norte-americano e o que elas esperavam que acontecesse se uma vacina não estivesse disponível quando uma nova temporada de gripe chegasse ao mesmo tempo, uma questão que os centros federais de controle de doenças levantaram semanas mais tarde.

LEIA MAIS: Como líderes narcisistas podem destruir empresas em época de Covid-19

“Pensem em termos diferentes”, Bourla lhes disse. “Pensem que vocês têm um talão de cheques aberto, não precisam se preocupar com essas coisas. Pensem que faremos as coisas em paralelo, não em sequência. Pensem que vocês precisam criar a fabricação de uma vacina antes de saber o que está funcionando. Se isso não acontecer, eu cuido disso e vamos descartá-lo e jogá-lo fora.”

Segundo Mikael Dolsten, diretor científico da Pfizer: “Ele desafiou a equipe a mirar em um objetivo semelhante a um tiro na Lua. Tudo para ter milhões de doses de vacina nas mãos de populações vulneráveis ​​antes do final do ano”.

Na primeira segunda-feira de maio, a Pfizer administrou, em Baltimore, o lote inicial de uma vacina experimental para Covid-19 desenvolvida pela BioNTech (da Alemanha) em voluntários americanos saudáveis. Bourla foi informado imediatamente. No dia seguinte, em uma entrevista em sua casa no subúrbio de Scarsdale, Nova York, ele apontou que normalmente leva anos para realizar o que a Pfizer havia acabado de fazer em semanas. “O quão rápido nos movemos não é algo que você poderia esperar da grande e poderosa indústria farmacêutica”, disse ele. “Essa é a velocidade que você invejaria em uma biotecnologia baseada em fundadores empresariais”.

Veterinário grego que escalou os rankings corporativos da Pfizer por 25 anos antes de se tornar CEO em 2019, Bourla diz que nada em sua carreira poderia prepará-lo para este momento. Mas ele acredita que a maciça transformação corporativa que ele liderou, direcionando um conglomerado gigante (vendas em 2019: US$ 51,8 bilhões) para um jogo de alto risco e alta recompensa de desenvolver novos medicamentos patenteados e longe de medicamentos genéricos e produtos de consumo como Advil e Chapstick, preparou a Pfizer.

Montanha-russa

Para Bourla, de 58 anos, os últimos quatro meses foram uma montanha-russa, uma série interminável de contratempos e vitórias. A Pfizer não está sozinha na corrida. A maioria das grandes empresas farmacêuticas do mundo, incluindo Johnson & Johnson, Sanofi, AstraZeneca e Roche, está tentando de tudo na briga contra a Covid-19.

Alguns especialistas acham que a linha do tempo proposta por Bourla (uma vacina viável em questão de alguns meses) é simplesmente irrealista. Não obstante, Bourla encarregou centenas de pesquisadores de vasculhar os inventários de medicamentos experimentais e existentes da Pfizer para procurar possíveis terapias. Desde o início, ele autorizou abertamente discussões e compartilhamento de informações proprietárias com empresas rivais, mudanças inéditas no mundo secreto das grandes empresas farmacêuticas. Bourla disponibilizou os recursos de fabricação da Pfizer para pequenas empresas de biotecnologia e também está em negociações para produzir grandes quantidades de possíveis medicamentos para Covid-19 de outras empresas.

O esforço mais proeminente da Pfizer é seu trabalho com a BioNTech, com sede em Mainz, na Alemanha, em um equipamento inovador de US$ 120 milhões (vendas em 2019) que é conhecido principalmente por fabricar medicamentos contra o câncer. A vacina experimental para Covid-19 resultante funciona com o RNA mensageiro (mRNA), uma tecnologia de ponta que nunca resultou em um tratamento bem-sucedido. A Pfizer espera obter autorização de uso emergencial do governo dos EUA para a vacina até outubro. Sua estratégia única é colocar rapidamente quatro candidatos a vacina mRNA diferentes uns contra os outros e apostar na que tiver mais chance de dar certo.

Em preparação, a empresa está mudando a produção em quatro fábricas para produzir 20 milhões de doses de vacina até o final do ano e centenas de milhões a mais em 2021. Bourla diz que a Pfizer está disposta a gastar US$ 1 bilhão em 2020 para desenvolver e fabricar a vacina antes de 2021 mesmo sem saber se funcionará: “A velocidade é de suma importância”.

Enquanto o esforço para encontrar a vacina está atraindo a atenção do público, a Pfizer também está correndo para iniciar um ensaio clínico neste verão para um novo medicamento antiviral para tratar a Covid-19. Além disso, a empresa está envolvida em um estudo em humanos que busca redirecionar o grande medicamento para artrite da Pfizer, Xeljanz, para pacientes com Covid-19 em estágio avançado

“Ser CEO de uma empresa farmacêutica que pode fazer a diferença em uma crise como essa é um peso muito grande”, diz Bourla. “Até mesmo minha filha ou filho me perguntam: ‘Você tem alguma coisa ou não?’ Toda pessoa que me conhece faz o mesmo. Você sente que, se acertar, pode salvar o mundo. E se você não acertar, não salvará.”

Em janeiro, Uğur Şahin, o brilhante imunologista que fundou a BioNTech, leu um artigo sobre a Covid-19 da revista científica “The Lancet”. Şahin construiu a BioNTech para invadir as células humanas e buscar doenças, principalmente o câncer, e ele pensou que uma tecnologia semelhante poderia funcionar contra o coronavírus. Logo depois, conversou com Thomas Strüngmann, o bilionário farmacêutico alemão que há anos apóia Şahin e sua esposa, a imunologista Özlem Türeci, em seus empreendimentos. “Ele disse: ‘Este é um grande desastre.’Disse que as escolas seriam fechadas, que isso seria uma pandemia”, diz Strüngmann, referindo-se a Şahin. “Ele transferiu a maior parte de sua equipe para pesquisar uma vacina.”

Em fevereiro, Şahin (que agora é bilionário, já que as ações da BioNTech subiram) telefonou para Kathrin Jansen, responsável pela pesquisa e desenvolvimento de vacinas da Pfizer. Şahin disse à Jansen que a BioNTech conseguiu potenciais vacinas para a Covid-19 e perguntou se a Pfizer estaria interessada em trabalhar com ele. “Uğur, você está perguntando?”, Jansen respondeu. “Claro que estamos interessados.”

Nos últimos anos, os cientistas ficaram intrigados com a ideia de usar o RNA mensageiro, a molécula genética que fornece instruções para a produção de proteínas nas células, para desenvolver medicamentos para câncer, doenças cardíacas e até vírus infecciosos, transformando células humanas em fábricas de medicamentos. Como a SARS-CoV-2 (como o coronavírus é formalmente conhecido) é um vírus de RNA, pesquisadores como Şahin se concentraram na ideia de fornecer ao mRNA a maquinaria celular para produzir proteínas que criariam anticorpos para se proteger de vírus.

Uma vacina de mRNA tem enormes vantagens sobre a tradicional. Como pode ser produzida diretamente a partir do código genético do vírus, pode ser desenvolvida e inserida em ensaios clínicos em questão de semanas, em vez de meses ou anos. Mas há uma grande desvantagem: ninguém jamais conseguiu produzir uma.

A BioNTech não está sozinha na busca por uma vacina de mRNA. A Moderna Therapeutics, uma biotech em Cambridge, Massachusetts, também começou em janeiro e lançou um grande teste em humanos para sua vacina de mRNA, apoiada em US$ 483 milhões pelo governo federal dos EUA. A empresa também tem como objetivo produzir milhões de doses por mês até o final do ano.

LEIA TAMBÉM: Semanas curtas, anywhere office: como a pandemia está mudando as inovações do trabalho

A Pfizer já estava à vontade para trabalhar com a BioNTech. Dois anos atrás, as duas empresas assinaram um contrato de US$ 425 milhões para desenvolver uma vacina de mRNA contra a gripe. A Pfizer ficou intrigada com o potencial de uma abordagem de mRNA para interromper o processo de desenvolvimento de uma vacina para uma novo tipo da gripe a cada ano. Essa mesma flexibilidade e velocidade atraíram Bourla quando se tratava de trabalhar com um parceiro em uma potencial vacina para a Covid-19.

Em 16 de março, Bourla convocou os principais executivos da Pfizer e informou que o retorno do investimento não iria interferir no trabalho para a Covid-19 da empresa. “Isso não é um negócio comum”, Bourla lhes disse. “Os retornos financeiros não devem conduzir nenhuma decisão.”

A Pfizer assinou uma carta de intenções com a BioNTech no dia seguinte. O contrato finalizado em abril não faz menção à comercialização. A Pfizer contribui com suas enormes capacidades de fabricação, regulamentação e pesquisa para a luta. A BioNTech contribui com a ciência básica.

Ao mesmo tempo, Bourla tomou a decisão de gastar US$ 1 bilhão no projeto. Portanto, se a vacina funcionar, ela poderá ser disponibilizada neste outono. A Pfizer também estará à disposição para pagar à BioNTech um adicional de US$ 563 milhões, se tudo correr conforme o planejado. “Um bilhão de dólares não vai nos quebrar. E, a propósito, não pretendo perdê-lo. Pretendo garantir que usaremos este produto”, diz Bourla. “Você nunca sabe até ver os dados. Então, sim, perderemos um bilhão se a vacina não funcionar.”

O que torna a abordagem da Pfizer única é o teste de quatro vacinas distintas: diferentes plataformas de mRNA que devem induzir uma resposta imune segura. O complexo estudo começará testando diferentes níveis de dosagem das quatro vacinas em 360 voluntários dos EUA e 200 na Alemanha, expandindo para 8 mil participantes.

Os testes nos EUA foram projetados para evoluir, assim a empresa pode parar rapidamente de testar qualquer uma das vacinas se os dados de imunogenicidade mostrarem que não está produzindo anticorpos suficientes para conferir proteção contra vírus. As empresas estão fazendo ajustes em tempo real. Recentemente, a BioNTech percebeu que um dos candidatos a vacinas deveria ser administrado em um nível mais baixo para ser seguro, um obstáculo logo no começo dos planos.

Ceticismo

Há um ceticismo considerável entre os especialistas de que o objetivo da Pfizer de fornecer milhões de doses para populações vulneráveis ​​até o outono norte-americano seja possível. Drew Weissmann, cujo laboratório da Universidade da Pensilvânia trabalhou com a BioNTech em vacinas de mRNA para doenças infecciosas, disse recentemente à Forbes que simplesmente não se sabe se uma vacina de mRNA pode prevenir doenças infecciosas.

Jansen, chefe de pesquisa de vacinas da Pfizer, espera que a empresa e a BioNTech tenham uma ideia melhor no início de julho sobre qual dos quatro candidatos a vacina é o mais promissor e se o prazo hiper acelerado é viável. A Pfizer provavelmente levará apenas uma ou duas das vacinas mais promissoras para testes mais avançados.

“Não é fácil. Na verdade, isso nunca foi feito antes, não posso dar uma probabilidade ”, diz Jansen. “Uma crise sem precedentes, como a pandemia em curso, exige uma ação sem precedentes. Albert foi o primeiro a ver isso e agir de acordo, e a fornecer o apoio e o ambiente para que pensássemos e agíssemos com ousadia.”

Trajetória

Quando Albert Bourla começou sua carreira no comando da Pfizer em janeiro de 2019, ele removeu a volumosa mesa marrom da sala de conferências do CEO e não a substituiu, reorganizou as cadeiras em círculo e colocou fotografias dos pacientes na parede. A ideia era promover uma discussão aberta e lembrar as pessoas sobre o real objetivo de uma empresa farmacêutica. Logo depois, outros funcionários da Pfizer começaram a colocar fotos em suas mesas de pacientes que eles conhecem ou amam.

A maneira pouco ortodoxa que Bourla adotou para o auge do poder corporativo começou na segunda maior cidade da Grécia, Thessaloniki, uma cidade portuária do norte do Mar Egeu. Ele cresceu na classe média, seu pai e seu tio possuíam uma loja de bebidas, como parte de uma minoria que sobreviveu à ocupação alemã e ao Holocausto.

O amor pelos animais e pela ciência levou Bourla a se tornar um veterinário. Na Universidade Aristóteles de Thessaloniki, ele era conhecido por tocar violão e cantar, e durante o verão trabalhou como guia turístico europeu. Ele ingressou no escritório da Pfizer na Grécia em 1993, trabalhando na divisão de saúde animal, iniciando uma ascensão que o levou a mudar sua família para oito cidades em cinco países, incluindo Polônia e Bélgica.

Em 2014, Bourla era um executivo de alto nível na sede da Pfizer em Manhattan, na 42nd Street, onde, entre outras coisas, dirigia as divisões de vacinas e câncer da empresa. Ele trouxe um toque mediterrâneo ao conglomerado. Suas reuniões de grupo eram barulhentas, ecoando pelos corredores silenciosos. Ele forçou as unidades da empresa a expressar suas métricas em termos de “quantos pacientes estamos ajudando”, não apenas em termos de dólares e centavos.

Ian Read, o CEO escocês da Pfizer na época, havia revertido os caminhos da empresa em Wall Street, onde suas ações estavam com um desempenho ruim, recomprando muitas ações e desinvestindo negócios que vendiam fórmulas para bebês e medicamentos para animais. Menos visivelmente, Read revigorou a linha de medicamentos da Pfizer em seu principal negócio de vacinas e capacitou os pesquisadores da Pfizer a desenvolver terapias direcionadas, principalmente para o câncer, já que alguns de seus medicamentos comercializados em massa, como o blockbuster Lipitor, para baixar o colesterol, foram patenteados.

O último trabalho de Bourla antes de subir para o comando central foi como chefe do grupo de inovação da Pfizer. Ele se comportava como se estivesse administrando uma empresa de capital de risco das ciências da vida. Ele forçou cada uma de suas seis unidades de negócios, que incluíam oncologia, vacinas e doenças raras, a competir por financiamento. “Eu estava dizendo a todos: ‘Sou seu chefe, sou private equity, quem tiver as melhores ideias receberá o dinheiro'”, diz ele. “Uma empresa que tem a escala da Pfizer e a mentalidade de uma pequena biotech sempre foi o meu sonho.”

“Albert tem um senso de urgência, e isso se mostra na maneira como ele está organizando os recursos da empresa para tentar desenvolver uma vacina ou tratamento para a Covid-19”, diz Read, seu ex-chefe. “Ele é uma pessoa carismática, energizando grupos de pessoas para fazer o trabalho.”

A urgência de Bourla ficou evidente após um fim de semana difícil em fevereiro, quando ele percebeu que a Covid-19 não seria apenas um problema para a China. Em uma ligação na manhã da segunda-feira seguinte, disparou instruções para os principais executivos da Pfizer. Ele pediu aos diretores científicos que garantissem que os laboratórios da empresa permanecessem abertos e que a Pfizer precisava contribuir com uma solução médica para a pandemia. “Se não nós, então quem?”, Bourla disse. Ele instruiu o grupo de manufatura a fazer uma lista dos medicamentos da Pfizer (incluindo aqueles que tratam insuficiência cardíaca e infecções bacterianas) que seriam muito procurados em uma pandemia e garantiu que eles não fossem prejudicados por gargalos na produção. Ele então informou oficialmente o conselho que estava colocando a atenção da empresa na Covid-19.

Um dia, em meio a essa reformulação, o diretor da Pfizer, Scott Gottlieb, que chegou a administrar o FDA (agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos), deixou a sede da empresa em Manhattan e, em poucas horas, seus medos estavam se concretizando: surgiam relatórios da Califórnia indicando a disseminação nos Estados Unidos. Naquela noite, Gottlieb postou um tópico no Twitter: “uma longa luta pode estar à frente, exigindo sacrifício compartilhado”, ele disse. Mas em parte por causa dos esforços de Bourla na Pfizer, ele também declarou que o desenvolvimento de vacinas e tratamentos já estava em andamento.

“Albert expôs cedo por que era tão importante colocar os enormes recursos da Pfizer sem olhar para os resultados financeiros dos negócios”, diz Gottlieb. “Criar uma vacina pode mudar o curso da história humana. Isso é literalmente o que está em jogo, e as grandes empresas têm a capacidade de ampliar a fabricação e executar grandes testes de uma maneira que não está disponível para pequenos desenvolvedores de produtos.”

Esforço contra a Covid-19

Em março, Bourla decidiu divulgar publicamente o plano da Pfizer para compartilhar dados de sua pesquisa para Covid-19 com empresas farmacêuticas rivais. Ele prometeu usar qualquer excesso de capacidade de fabricação e até desviar a produção nas instalações da Pfizer para longe de seus próprios produtos, para fazer tratamentos de Covid-19 de outras empresas. “Você conhece o ditado”, diz Bourla. “Cuidado com o que você deseja.”

Desde então, a Pfizer ouviu 340 companhias. Algumas delas já receberam suporte técnico, e a Pfizer está prestes a assinar grandes acordos de fabricação com outras. A farmacêutica também está em discussões com outras organizações que precisam de financiamento para suas próprias terapias de Covid-19.

“Será que meus filhos vão para a escola no próximo outono?” Bourla se pergunta. “Eu também faço parte da sociedade. Você não pode ficar calado.”

Em uma reunião em vídeo do conselho de administração da Pfizer, no final de abril, perguntaram a Bourla o que aconteceria se vários fabricantes de vacinas tivessem sucesso. “Esse seria o melhor resultado possível”, ele respondeu, porque enormes quantidades de vacina poderiam ser produzidas rapidamente.

Além do grande prêmio, que seria uma vacina, a Pfizer também está tentando encontrar soluções terapêuticas. Os pesquisadores encarregados de vasculhar o banco de dados molecular da Pfizer ficaram intrigados com vários de seus compostos antivirais que poderiam atacar o vírus impedindo a reprodução. Depois que a empresa obteve a sequência de DNA do coronavírus em janeiro, os pesquisadores descobriram qual poderia funcionar melhor.

Realizar trabalho pré-clínico nos compostos selecionados, no entanto, foi difícil. A Pfizer teve problemas para encontrar um laboratório que pudesse realizar os ensaios adequados. A empresa reduziu sua pesquisa antiviral há uma década e não possuía mais um laboratório de biossegurança adequado para trabalhar com o vírus vivo. A certa altura, Bourla temia que a falta de um laboratório atrasasse o processo do ensaio clínico. Mas uma agência médica governamental separada ajudou a Pfizer a encontrar um bom laboratório na Holanda.

Houve “vários momentos de más notícias chegando para estragar as boas novas que você tinha três horas antes”, diz Bourla. Desde então, o trabalho de laboratório da Pfizer mostrou que um de seus inibidores de protease, desenvolvido inicialmente para combater a SARS, exibia atividade antiviral contra a SARS-CoV-2. A Pfizer está agora com o objetivo de iniciar um teste em humanos para esse antiviral, que é administrado por via intravenosa, até o final do verão.

Outro medicamento da Pfizer que chama a atenção é o Xeljanz, um comprimido para artrite reumatoide que gera US$ 2,2 bilhões anualmente. É visto como uma maneira potencial de atenuar a imensa resposta imune à Covid-19 que sobrecarrega alguns pacientes infectados. A Pfizer está apoiando um estudo de Xeljanz em pacientes italianos com Covid-19, bem como outro estudo dos EUA que testará um medicamento diferente para artrite, que é experimental e direcionado à proteína Irak-4, contra o vírus.

E TAMBÉM: “Temos de escutar o que a sociedade está nos falando”, diz Daniela Cachich, vice-presidente de Marketing da Pepsico

Enquanto tudo isso está acontecendo, é claro, Bourla ainda precisa administrar o restante da Pfizer. Recentemente, ele planejou uma visita simbólica a uma fábrica da Pfizer (nenhuma delas foi fechada), mas depois de fazer os planejamentos, foi informado de que não poderia entrar porque não era considerado essencial.

“Não sei se alguma vez me preparei para algo assim”, diz Bourla. “Mas você sente que precisa se esforçar e se manter firme na ocasião, porque é isso que precisa ser feito.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).