Medidas da Loft para apoiar trabalhadores da construção civil chegam a R$ 4,8 milhões

Divulgação
Divulgação

Marcus Grigoletto, diretor da Loft e Decorati: trabalhadores em casa durante a pandemia

Diante dos potenciais impactos sociais e econômicos que poderiam surgir com a pandemia de Covid-19 no Brasil, a Loft e a Decorati, startup especializada em reformas adquirida pela propetch em 2019, anunciaram, no final de março, duas medidas de apoio ao setor da construção civil.

Tanto o desconto oferecido aos clientes que mantivessem ou antecipassem os pagamentos de obras interrompidas quanto a criação de um fundo de apoio aos fornecedores de mão de obra foram pensados para ajudar a manter a renda dos prestadores de serviço e trabalhadores do setor durante a crise. Na manhã de hoje (4), a Loft revelou, com exclusividade à Forbes, que as duas iniciativas resultaram, até o momento, em R$ 4,8 milhões.

No caso da primeira, do total de 128 clientes elegíveis para os descontos, 47% aceitaram o benefício e outros 12 estão em negociação. Esses 61 contratos repactuados representam R$ 1,2 milhão em recursos mantidos, que foram usados para o pagamento antecipado de cerca de 12 mil trabalhadores da construção civil que atuam, direta ou indiretamente, em projetos da Loft e da Decorati.

LEIA MAIS: Florian Hagenbuch, da Loft, fala sobre a crise: “Temos uma grande oportunidade de nos aproximarmos da nossa humanidade”

Na prática, a empresa concede um desconto de 1% ao mês sobre os valores aportados, considerando o período em que a obra estiver parada, ou seja, entre a data da assinatura do aditivo e o dia em que os serviços de reforma forem retomados. No final da obra, segundo a empresa, o que o cliente vai economizar resultará em um ganho superior a 300% do CDI.

A segunda inciativa previa a criação de um fundo, de até R$ 5 milhões, para os trabalhadores da construção civil e prestadores de serviço parceiros. A ação arrecadou, até o momento, R$ 1,8 milhão, que, com a contrapartida de 100% oferecida pela empresa, chegou a R$ 3,6 milhões. Esses recursos também estão sendo utilizados para antecipar pagamentos aos prestadores de serviço da construção civil que tiveram de ficar em casa por conta da interrupção de obras.

“O que for recebido adiantado pelos prestadores de serviços será amortizado ao longo da entrega da obra”, informa Marcus Grigoletto, diretor da Loft e Decorati . “O objetivo é fazer com que esses trabalhadores fiquem em casa com alguma renda para manter suas famílias.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).