Pacote de ajuda do BNDES a companhias aéreas encolhe para R$ 4 bilhões

Washington Alves/Reuters
Washington Alves/Reuters

O plano encolheu porque os bancos privados se recusaram a conceder empréstimos maiores para as companhias aéreas

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) propôs ontem (13) um pacote de resgate no valor de R$ 4 bilhões para as companhias aéreas do país, menos da metade do montante inicialmente previsto, afirmaram fontes com conhecimento do assunto.

O plano, que primeiro centrou em torno de uma linha de crédito de R$ 10 bilhões, encolheu de valor porque os bancos privados se recusaram a conceder empréstimos maiores e porque as companhias aéreas estavam relutantes em aceitar uma maior diluição de ações, explicaram as fontes.

LEIA MAIS: Embraer contrata Itaú para assessorar socorro com BNDES

Sob o esquema atual, a Gol e a Azul devem receber R$ 2 bilhões cada. Não está claro se um acordo será alcançado com a Latam Airlines, embora ela também tenha recebido a oferta de ajuda de até R$ 2 bilhões.

As companhias aéreas foram forçadas a estacionar a maior parte de sua frota devido à pandemia de coronavírus.

O BNDES fornecerá até 60% do valor e os bancos privados contribuirão com cerca de 10%, com o restante vindo de investidores do mercado de capitais, disseram as fontes, acrescentando que o plano ainda pode mudar.

O pacote de ajuda será feito por meio da emissão de bônus de 5 anos que terão um período de carência de um ano para o pagamento de juros, bem como de instrumentos que podem ser convertidos em ações.

O BNDES, os bancos e os investidores no plano de resgate obterão um retorno total de até a taxa de referência interbancária do Brasil (CDI) mais 14% ao ano, disseram as fontes.

VEJA TAMBÉM: Socorro de elétricas e aéreas pode sair esta semana

A Azul disse que recebeu uma nova proposta do BNDES, que está sendo analisada pela companhia. Gol, Latam e BNDES se recusaram a comentar.

A “Bloomberg” informou sobre o valor do plano de resgate mais cedo ontem. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).