Por que a perda de US$ 8 bilhões nos últimos 2 dias na fortuna de Jeff Bezos não significa muito

Reproduçao
Reproduçao

Jeff Bezos, Elon Musk e Mukesh Ambani, da Reliance Industries são alguns dos nomes que ganharam bilhões na pandemia

Não são apenas as ações da Amazon que impulsionaram a fortuna do bilionário por trás da empresa. Mudanças dramáticas nos preços das ações de Tesla, Reliance e Microsoft reorganizaram o ranking dos top 10 mais ricos do mundo desde março.

Entre a sexta-feira (10), após o fechamento dos mercados, e as 13h de ontem (14), o patrimônio líquido de Jeff Bezos caiu US$ 8 bilhões. Essa é uma quantia enorme –equivale ao valor somado dos dois maiores clubes de futebol americano nos EUA, o New England Patriots (US$ 4,1 bilhões) e o New York Giants (US$ 3,9 bilhões). Mas, para Bezos, que tem um patrimônio de cerca de US$ 181 bilhões, foram apenas mais alguns dias de trabalho, e um declínio de apenas 4,4% de sua fortuna.

VEJA TAMBÉM: Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, e fique por dentro de tudo sobre empreendedorismo

Desde 18 de março, data que a Forbes usou para calcular o patrimônio líquido da lista de bilionários do mundo em 2020, e dias após o presidente norte-americano, Donald Trump, ter declarado uma emergência nacional devido ao coronavírus, o preço das ações da Amazon subiu quase 69%. Enquanto os compradores que se abrigavam em casa durante a pandemia procuravam a empresa para fazer mais compras, seu valor de mercado alcançou um recorde de US$ 1,5 trilhão, e a fortuna de Bezos saltou US$ 68 bilhões. Mesmo com a ligeira queda nos últimos dois dias, os investidores não estão preocupados –principalmente atribuindo-a ao reequilíbrio do mercado e ao momento de agora, em que as muitas ações estão recuando após uma forte subida.

Bezos não é o único bilionário a ficar muito mais rico durante a pandemia. Elon Musk, CEO da Tesla e da SpaceX, passou do número 31 em meados de março para o número 9 na terça-feira. Seu patrimônio líquido quase triplicou nos últimos quatro meses, para US$ 69,1 bilhões, saindo de US$ 24,6 bilhões, em grande parte devido a uma alta de 320% nas ações da Tesla. É a primeira vez que Musk está entre os dez mais ricos do mundo. “Eu realmente não poderia me importar menos”, disse Musk à Forbes no início de julho, comentando o tamanho de sua fortuna. “Esses números aumentam e diminuem, mas o que realmente importa é criar ótimos produtos que as pessoas adoram.”

Outro grande ganhador dos últimos meses é Mukesh Ambani, magnata de negócios indiano e presidente da Reliance Industries, cuja empresa de telecomunicações Reliance Jio atraiu bilhões de dólares em investimentos em 2020, incluindo US$ 5,7 bilhões do Facebook em abril e US$ 1,2 bilhões dos fundos soberanos de Mubadala dos Emirados Árabes Unidos em junho. O Google também está interessado em comprar uma participação. Isso, por sua vez, ajudou a levar a um aumento maior no preço das ações da Reliance. Ambani é agora a sétima pessoa mais rica do mundo, com US$ 71,4 bilhões, quase o dobro de seu patrimônio líquido em meados de março. A última vez que a Ambani esteve no top 10 foi em 2011, com uma fortuna de US$ 27 bilhões.

Também novo no top 10 desde março: Steve Ballmer, ex-CEO da Microsoft. As ações da Microsoft subiram 47% desde meados de março, colocando Ballmer na sexta posição entre os mais ricos do mundo, no valor de US$ 72,1 bilhões.

Reprodução Forbes

É claro que, como alguns sobem na hierarquia, outros devem cair –e alguns sobem e descem muito. Bernard Arnault valia US$ 108 bilhões no final de janeiro. Ele caiu para US$ 76 bilhões em meados de março, quando as pessoas se pararam de fazer gastos com bens de luxo. Ele está de volta a US$ 111,1 bilhões e é o terceiro da lista.

LEIA MAIS: Amazon lançará fundo de US$ 2 bilhões para investir em energias limpas

Apesar de uma queda de US$ 3,5 bilhões em seu patrimônio líquido desde março, Warren Buffett, um dos investidores mais bem-sucedidos de todos os tempos, desceu quatro posições e agora é a oitava pessoa mais rica do mundo. É a menor posição de Buffett em pelo menos 20 anos. Os Waltons, a família por trás do Walmart, tinham três membros –Jim Walton, Alice Walton e Rob Walton– que juntos alcançaram o top 10 em meados de março. Embora seu patrimônio líquido na terça-feira tenha aumentado em US$ 3 bilhões, não foi suficiente para eles manterem suas posições, já que outros, incluindo Musk, Ambani e Ballmer, avançaram muito.

A única certeza com os mercados assim é que bilhões podem ser ganhos –e perdidos– e recuperados em questão de horas.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).