Azul fecha acordo com arrendadores de aeronaves

Negociação resultará em uma economia de capital de giro de R$ 3,2 bilhões do início da crise até o final de 2021.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Reuters
Reuters

Azul fechou acordos para novo perfil de pagamento a seus arrendadores de aeronaves

Acessibilidade


A Azul fechou acordos para novo perfil de pagamento a seus arrendadores de aeronaves que resultarão em uma economia de capital de giro de R$ 3,2 bilhões do início da crise até o final de 2021, informou a companhia aérea ontem (11).

A empresa disse que os acertos representam mais de 98% do seu passivo de arrendamento e que negociações com os demais arrendadores continuam evoluindo.

VEJA TAMBÉM: Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, e fique por dentro de tudo sobre empreendedorismo

A Azul afirmou que o cronograma de pagamento será baseado em uma estimativa conservadora de retomada da demanda.

“Como resultado, a companhia estima pagar R$ 566 milhões em aluguel de aeronaves entre abril e dezembro de 2020, uma redução de 77% comparado com os contratos originais. Os aluguéis mensais menores serão compensadas por valores ligeiramente superiores a partir de 2023, ou pela extensão de certos contratos a taxas de mercado”, detalhou.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Adicionalmente, a Azul afirmou que o seu passivo de arrendamento deverá diminuir R$ 3,4 bilhões entre o final de março e dezembro, totalizando R$ 12,5 bilhões no final do ano.

“Estes acordos são um passo importante para garantir que sairemos desta crise mais fortes e comprometidos com essas parcerias de longo prazo”, afirmou o vice-presidente Financeiro e de Relações com Investidores da Azul, Alex Malfitani, no comunicado. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: