Gigantes da internet terão que abrir dados a reguladores antitruste da UE

Comissária europeia para a concorrência disse que o objetivo é esclarecer como os algoritmos funcionam.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Michael Sohn/Pool via Reuters
Michael Sohn/Pool via Reuters

“As empresas também terão que dar aos reguladores e pesquisadores acesso aos dados que possuem”, disse Margrethe Vestager

Acessibilidade


As gigantes de tecnologia terão que explicar como seus algoritmos funcionam sob as novas regras propostas pela União Europeia e também abrir seus arquivos de anúncios para reguladores e pesquisadores, disse a comissária digital e antitruste da Europa hoje (30).

A medida provavelmente impactará gigantes online dos EUA, como a Alphabet, dona do Google, Amazon, Apple e Facebook, com suas enormes bases de dados e lucrativos negócios de publicidade online.

LEIA MAIS: As 5 maiores tendências da Internet das Coisas para 2021

Os algoritmos de publicidade ajudam as empresas a direcionar os anúncios aos usuários que os anunciantes desejam alcançar.

A comissária europeia para a concorrência, Margrethe Vestager, disse que o objetivo é esclarecer como esses algoritmos funcionam e garantir que as empresas sejam responsabilizadas por suas decisões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“E as maiores plataformas teriam que fornecer mais informações sobre a forma como seus algoritmos funcionam, quando os reguladores solicitarem”, disse ela em evento organizado pela agência de pesquisa AlgorithmWatch e pelo European Policy Center.

As empresas também terão que dar aos reguladores e pesquisadores acesso aos dados que possuem – incluindo arquivos de anúncios”, disse Vestager.

Ela vai anunciar dois projetos de regras conhecidos como Digital Services Act e Digital Markets Act em 2 de dezembro, evidenciando a determinação da UE em controlar as gigantes da tecnologia e forçá-las a serem mais justas.

A nova legislação precisará da contribuição e aprovação dos países da UE e do Parlamento Europeu antes de entrar em vigor, um processo que pode levar mais de um ano. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: