Tribunal dos EUA rejeita proibição imediata do WeChat

Florence Lo/Reuters
Florence Lo/Reuters

O WeChat tem uma média de 19 milhões de usuários ativos diários nos Estados Unidos

Um tribunal de apelações dos Estados Unidos rejeitou ontem (26) um pedido do Departamento de Justiça que permitia ao governo proibir imediatamente a Apple e o Google, da Alphabet de disponibilizarem o WeChat, da Tencent, para download nas lojas de aplicativos do país.

O painel de três juízes do Tribunal de Apelações disse que o governo não havia demonstrado que iria “sofrer um dano iminente e irreparável durante a pendência deste recurso, que está sendo acelerado”.

LEIA MAIS: Juíza dos EUA suspende bloqueio do aplicativo do WeChat

Na última sexta-feira (23), um juiz em São Francisco rejeitou um pedido do Departamento de Justiça para reverter sua decisão de impedir a proibição do WeChat, que era buscada pelo Departamento de Comércio dos EUA em resposta a uma ação movida por usuários do WeChat.

Os usuários do WeChat disseram que a decisão evitará um “desligamento sem precedentes de uma grande plataforma de comunicações da qual milhões de pessoas contam nos Estados Unidos”.

O tribunal de apelações disse que o caso será colocado no cronograma de janeiro de 2021.

A Tencent e o Departamento de Comércio não comentaram imediatamente.

O WeChat tem uma média de 19 milhões de usuários ativos diários nos Estados Unidos. É popular entre estudantes chineses, norte-americanos que vivem na China e que têm relações pessoais ou de negócios na China. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).