Total Eren obtém R$ 423 mi no BNB para financiar projetos eólicos no Nordeste

Custo total dos investimentos nos complexos de Terra Santa e de Maral chega a R$ 825 milhões

Redação
Compartilhe esta publicação:
Pascal Rossignol/Reuters
Pascal Rossignol/Reuters

Os projetos gerarão 720 GWh por ano, o suficiente para abastecer cerca de 400.000 lares brasileiros

Acessibilidade


A francesa Total Eren informou hoje (26) que fechou com o Banco do Nordeste (BNB) financiamento de longo prazo de R$ 423 milhões para seu portfólio eólico de 160 MW em construção no Estado do Rio Grande do Norte.

A produtora de energia renovável, que tem como acionista a petroleira Total, garantiu financiamento para suas duas plantas eólicas através da emissão de dívida de longo prazo com maturidade de 22 anos.

LEIA MAIS: A revolução verde foi consumada, diz o novo bilionário da energia eólica dos Estados Unidos

O custo total dos investimentos nos complexos de Terra Santa e de Maral chega a R$ 825 milhões.

Serão R$ 241 milhões em financiamentos destinados ao projeto de Terra Santa e R$ 182 milhões ao projeto Maral. O BNB atuou como o único credor da transação, disse a empresa em nota.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Terra Santa (92.3 MW) e Maral (67.5 MW) possuem acordos privados de 20 anos para fornecimento de energia e seus comissionamentos são esperados para meados de 2021.

Uma vez concluídos, os projetos gerarão 720 GWh por ano, o suficiente para abastecer cerca de 400.000 lares brasileiros.

Além de Terra Santa e Maral, a Total Eren possui três plantas solares fotovoltaicas em operação no Brasil: Dracena (90 MWp), BJL 11 (25 MWp) e BJL 4 (25 MWp). (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: