Bezos diz que a Blue Origin levará a primeira mulher à Lua

NASA concedeu contrato de US$ 579 milhões à companhia do bilionário para o desenvolvimento do módulo lunar.

Redação
Compartilhe esta publicação:
The Washington Post/Getty Images
The Washington Post/Getty Images

A Blue Origin chefia uma “equipe nacional” contratada e montada em 2019 para ajudar a construir sua sonda Blue Moon

Acessibilidade


A empresa espacial de Jeff Bezos, Blue Origin, levará a primeira mulher à superfície lunar, disse o bilionário na sexta-feira (4), enquanto a NASA se aproxima da decisão de escolher suas primeiras sondas lunares construídas de forma privada capazes de enviar astronautas à Lua até 2024.

“Este (BE-7) é o motor que levará a primeira mulher à superfície da Lua”, disse Bezos em uma postagem no Instagram trazendo um vídeo do teste de motor feito nesta semana no Marshall Space Flight Center da NASA em Huntsville, Alabama.

VEJA TAMBÉM: Jeff Bezos vende US$ 3,1 bi em participação na Amazon

O motor BE-7, que a Blue Origin vem desenvolvendo há anos, registrou 1.245 segundos de tempo de teste e dará energia à sonda lunar National Team Human Landing System da empresa.

A Blue Origin chefia uma “equipe nacional” contratada e montada em 2019 para ajudar a construir sua sonda Blue Moon. Essa equipe inclui empresas como Lockheed Martin, Northrop Grumman e Draper.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Blue Origin disputou e ganhou contratos lucrativos do governo nos últimos anos e está competindo com a SpaceX, do bilionário rival Elon Musk, e com a Dynetics, de propriedade da Leidos Holdings, para ganhar um contrato para construir o próximo sistema de pouso humano lunar da NASA que irá transportar humanos à Lua na próxima década.

Em abril, a NASA concedeu um contrato de desenvolvimento de um módulo lunar para a equipe da Blue Origin no valor de US$ 579 milhões, bem como duas outras empresas: a SpaceX, que recebeu US$ 135 milhões para ajudar a desenvolver seu sistema Starship e a Dynetics, que ganhou US$ 253 milhões.

A NASA deve escolher duas das três empresas “no início de março” de 2021 para continuar construindo seus protótipos de aterrissagem para missões tripuladas à Lua a partir de 2024, disse um porta-voz da agência.

No entanto, os escassos fundos destinados para os sistemas de aterrissagem disponibilizados pelo Congresso à NASA, bem como a incerteza sobre as visões do próximo governo Biden a respeito do tema exploração espacial, ameaçam atrasar a decisão da NASA em promover os contratos dos pousadores lunares. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: