Presidente do BC do Japão afirma não ter planos de parar compras de ETFs ou vendê-los

Haruhiko Kuroda prometeu manter a meta de inflação de 2%.

Redação
Compartilhe esta publicação:
James Lawler Duggan/Reuters
James Lawler Duggan/Reuters

Banco central removeu uma orientação explícita para a compra de ETFs a um ritmo anual de cerca US$ 55,13 bilhões

Acessibilidade


O presidente do banco central do Japão, Haruhiko Kuroda, disse hoje (22) que o banco central não vai parar de comprar fundos de índice (ETFs, na sigla em inglês) ou vendê-los, à medida que tenta tornar suas ferramentas de flexibilização mais flexíveis e sustentáveis sob sua política de controle da curva de juros.

Falando perante o comitê financeiro da Câmara alta, Kuroda disse que sua revisão das compras de ETFs permitiria ao Banco do Japão continuar a usar a política de afrouxamento monetário “de forma mais flexível e eficaz”.

VEJA TAMBÉM: Entenda como o Banco Central do Japão tornou-se acionista majoritário de todas as empresas listadas em Tóquio

O banco central removeu uma orientação explícita para a compra de ETFs a um ritmo anual de cerca de 6 trilhões de ienes (US$ 55,13 bilhões) na revisão de suas ferramentas de política monetária divulgada na última sexta-feira (19).

Em vez de comprar em um ritmo determinado, o Banco do Japão disse que só entraria em ação quando os mercados se desestabilizassem, com um teto de gastos de 12 trilhões de ienes estabelecido no ano passado.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Kuroda também prometeu manter a meta de inflação de 2%, que ele descreveu como um padrão global, já que ajuda a estabilizar as moedas das principais economias. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: