Tencent começa a permitir que usuários do WeChat acessem os links de rivais

Os reguladores chineses ordenaram à empresa e seus rivais para encerrar uma prática de bloqueio dos links uns dos outros.

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Aly Song
REUTERS/Aly Song

Os reguladores chineses ordenaram à empresa e seus rivais para encerrar uma prática de bloqueio dos links uns dos outros

Acessibilidade


O aplicativo de mensagens WeChat, da Tencent Holdings, começará a permitir que os usuários acessem links externos a partir de hoje (17), dias depois que os reguladores disseram à empresa e seus rivais para encerrar uma prática de longa data de bloqueio dos links uns dos outros.

Os gigantes da tecnologia da China têm historicamente impedido que links e serviços de concorrentes sejam compartilhados em suas plataformas. Na última segunda-feira (13), os reguladores ordenaram que as empresas retificassem isso, já que a prática afetava a experiência dos usuários e prejudicava os direitos do consumidor.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O WeChat informou nesta sexta-feira que implementará as mudanças em fases, começando por permitir que os usuários acessem links em bate-papos privados, um a um, enquanto atualizam para a versão mais recente do WeChat, mas que continuará a seguir princípios como prevenção de excessos marketing.

O plano será executado com base nos requisitos legais e com a aprovação das autoridades reguladoras, acrescentou.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Ao mesmo tempo, a plataforma também irá cooperar ativamente com outras plataformas da internet para implementar esta orientação e explorar as possibilidades técnicas de usar os serviços do WeChat em outras plataformas, para alcançar maior interconectividade.”

De acordo com a prática antiga, os usuários do WeChat não podiam clicar diretamente em links para mercados de comércio eletrônico, como Taobao e Tmall, operados pelo Alibaba Group. Em vez disso, eles precisavam abrir o link em um navegador como o Safari, que muitos consideraram problemático. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: