Argentina pode elevar limite de exportação de milho para 35 mi t, diz fonte

Compartilhe esta publicação:

Por Maximilian Heath

Acessibilidade


BUENOS AIRES (Reuters) – A Argentina, segundo maior exportador de milho do mundo, pode elevar o limite de exportação do grão para 35 milhões de toneladas na safra 2021/22, de 30 milhões de toneladas atualmente, afirmou uma fonte do Ministério da Agricultura à Reuters nesta quinta-feira.

O país sul-americano, em plena safra de milho, havia limitado as exportações para o ciclo atual a 25 milhões de toneladas em dezembro, ante 41,6 milhões de toneladas na temporada anterior, na esperança de conter a inflação. Depois, no início de maio, elevou o limite para o nível atual.

“Estamos à espera da colheita do milho tardio, que é o que é semeado por último, com a expectativa de que haja 35 milhões” de toneladas do grão autorizadas para exportação, disse a fonte com conhecimento direto dos planos.

A Argentina, também o exportador número 1 de soja processada e um grande player global em trigo e carne bovina, está lutando contra a inflação doméstica de alimentos, já que os preços globais das commodities subiram devido à guerra na Ucrânia.

A colheita de milho 2021/22 do país, incluindo grãos que não devem ser comercializados, é estimada em 57 milhões de toneladas, mostram dados do governo. A colheita está 44% concluída.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A bolsa de Cereais de Buenos Aires prevê uma produção de milho para uso comercial em 49 milhões de toneladas.

Os exportadores fizeram declarações de vendas de milho 2021/22 de 27 milhões de toneladas até agora, mostram dados do Ministério da Agricultura.

Compartilhe esta publicação: