FranceAgriMer corta projeção de exportação de trigo da França por efeito do clima

Por Gus Trompiz e Sybille de La Hamaide PARIS (Reuters) – O escritório agrícola FranceAgriMer reduziu nesta quarta-feira sua previsão de exportações francesas de trigo soft nesta temporada, citando a demanda internacional em queda, ao.

Compartilhe esta publicação:

Por Gus Trompiz e Sybille de La Hamaide

Acessibilidade


PARIS (Reuters) – O escritório agrícola FranceAgriMer reduziu nesta quarta-feira sua previsão de exportações francesas de trigo soft nesta temporada, citando a demanda internacional em queda, ao mesmo tempo em que alertou que chuvas eram urgentemente necessárias para evitar danos às safras de cereais antes da colheita deste verão do Hemisfério Norte.

Em suas perspectivas de maio para oferta e demanda de safras de cereais, o escritório cortou sua projeção de exportações de trigo soft para fora da União Europeia na temporada 2021/22, que termina em junho, para 9,25 milhões de toneladas, de 9,5 milhões estimados em abril.

Também reduziu sua previsão de exportações francesas de trigo soft em 2021/22 para os 27 membros da UE de 8,1 milhões para 8,0 milhões de toneladas.

No mês passado, o escritório já havia reduzido sua projeção de exportações de trigo soft para destinos fora da UE, citando a redução da competitividade dos suprimentos franceses após uma onda inicial de demanda para substituir os embarques do Mar Negro desencadeada pela invasão da Ucrânia pela Rússia.

“Operadores de mercado relataram redução na demanda nas últimas semanas”, disse Marc Zribi, chefe da unidade de grãos da FranceAgriMer, sobre as exportações de trigo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A FranceAgriMer disse que as condições secas desde o inverno (do Hemisfério Norte) ameaçam prejudicar as culturas de trigo e outros cereais, acrescentando que o impacto negativo até agora está limitado ao sudeste e a certos solos rasos.

“Se chover nos próximos 10 a 15 dias, isso pode aliviar a situação da maior parte das colheitas”, disse Benoit Pietrement, agricultor e chefe do comitê de safra da FranceAgriMer.

((Tradução Redação São Paulo))

REUTERS LF NF

Compartilhe esta publicação: