Abates de bovinos e suínos no país crescem no 1º tri, diz IBGE

O movimento contribui para queda nos preços da arroba bovina

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Imagem mostra gado no Pará
REUTERS/Pilar Olivares

Gado no Pará

Acessibilidade


Os pecuaristas do Brasil abateram 6,96 milhões de bovinos no primeiro trimestre, alta de 5,5% no comparativo anual, enquanto o abate de suínos marcou recorde para o período e o de aves caiu, mostraram hoje (8) dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o levantamento, que considera abates sob algum tipo de serviço de inspeção sanitária, todos os meses do trimestre apresentaram variações positivas em relação aos respectivos períodos de 2021 no segmento de bovinos, com destaque para março (+8%), mês de maior atividade, quando foram abatidas 2,47 milhões de cabeças.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“Após dois anos de quedas na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, o abate de fêmeas teve variação positiva de 12,9% em relação ao 1º período de 2021. Já o abate de machos cresceu 1,1% na mesma comparação”, disse o IBGE.

O movimento contribui para queda nos preços da arroba bovina, que vem sendo pressionada pelo maior volume de abates, redução na demanda interna pela carne e possível diminuição nas intenções de confinamento no segundo semestre devido aos altos custos de milho e farelo de soja usados na ração.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O abate de 361,75 mil cabeças de bovinos a mais no primeiro trimestre de 2022 foi impulsionado por aumentos em 18 das 27 unidades da federação. Os incrementos mais significativos ocorreram em São Paulo (+92,79 mil) e Mato Grosso (+78,71 mil).

No segmento de suínos, foram abatidas 13,64 milhões de cabeças, com aumentos de 7,2% em relação ao mesmo período de 2021 e de 1,5% na comparação com o quarto trimestre de 2021.

“Foram registrados os melhores resultados do abate de suínos para os meses de janeiro, fevereiro e março, resultando no melhor 1° trimestre da série histórica desde que a pesquisa foi iniciada, em 1997”, afirmou o IBGE.

Das 25 unidades federativas avaliadas, 19 elevaram os abates. Os principais aumentos ocorreram no Paraná (+229,39 mil), Santa Catarina (+176,92 mil), Rio Grande do Sul (+157,81 mil) e São Paulo (+143,33 mil).

Em contrapartida, foram abatidas 1,55 bilhão de cabeças de frangos no Brasil durante o primeiro trimestre deste ano, com quedas de 1,7% em relação ao mesmo período de 2021 e de 0,2% na comparação com o quarto trimestre de 2021.

Segundo o IBGE, 17 Estados diminuíram o volume de abates de frango, inclusive os da região Sul, principal produtora da proteína, com recuos no Rio Grande do Sul (-9,97 milhões), Paraná (-6,54 milhões) e Santa Catarina (-4,66 milhões).

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: