Açúcar bruto toca mínima de 6 semanas na ICE; café arábica cai 3%

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


LONDRES (Reuters) – Os contratos futuros do açúcar bruto na ICE atingiram mínimas de seis semanas nesta quinta-feira devido a preocupações com o enfraquecimento do real e a queda dos preços da energia, com os investidores ainda avaliando o risco de que fortes aumentos nas taxas de juros levem as economias à recessão.

AÇÚCAR

* O açúcar bruto para julho fechou em queda de 0,07 centavo de dólar, ou 0,4%, a 18,38 centavos de dólar por libra-peso, tendo tocado a mínima desde meados de maio a 18,32 centavos de dólar.

* Operadores disseram que um fechamento abaixo de 18,38 centavos de dólar poderia levar a ordens automaticas baseadas em sinais técnicos mirando valores tão baixos quanto 16,50 centavos.

* Este seria facilmente o caso, disseram eles, se a moeda brasileira continuasse a enfraquecer e os preços do petróleo caíssem ainda mais devido aos temores de recessão.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

* Um real fraco impulsiona os exportadores do maior produtor brasileiro a enviar açúcar precificado em dólar, aumentando os retornos em termos de moeda local, enquanto a queda dos preços da energia leva as usinas brasileiras a produzir mais açúcar e menos etanol.

* O açúcar branco para agosto caiu 2,00 dólares, ou 0,4%, a 551,00 dólares a tonelada.

CAFÉ

* O café arábica para setembro fechou em queda de 7,4 centavos de dólar, ou 3,1%, a 2,29 dólares por libra-peso.

* Traders disseram que o fato de o café ter atingido uma máxima de duas semanas anteriormente atraiu fortes vendas, inclusive do Brasil, já que a moeda local continua a perder valor em relação ao dólar norte-americano. O real caiu para a mínima desde fevereiro na quinta-feira.

* “Há uma tonelada de pressão de venda acima de 2,35 dólares”, disse um trader dos EUA.

* Enquanto isso, a colheita de café no Brasil enfrenta atrasos.

* O café robusta para setembro caiu 27 dólares, ou 1,3%, a 2.086 dólares a tonelada.

(Reportagem de Marcelo Teixeira e Maytaal Angel)

Compartilhe esta publicação: