Bunge e UPL formam empresa para atender agricultores do Norte e Nordeste do Brasil

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


SÃO PAULO (Reuters) – A norte-americana Bunge e a indiana UPL anunciaram nesta quinta-feira um acordo para criar a Orígeo, empresa que combinará a experiência da trading e processadora de grãos da primeira com o portfólio de insumos e soluções e serviços agrícolas da segunda.

A Orígeo fornecerá soluções de ponta a ponta para agricultores da macrorregião MAPITOBAPA (Maranhão, Piauí, Tocantins, Bahia e Pará).

“A Bunge se orgulha das relações duradouras e de confiança que construiu com os produtores rurais ao longo do último século, o que nos permitiu identificar a oportunidade para este modelo de serviço inovador”, disse o vice-presidente de Agronegócio da Bunge na América do Sul, Rossano de Angelis Junior.

“A Orígeo trabalhará em estreita colaboração com o agricultor, mapeando as necessidades, trazendo soluções e abordando os desafios do negócio”, acrescentou ele, em nota.

A oferta da Orígeo incluirá insumos como sementes, pesticidas, bio-soluções e fertilizantes; assistência para o planejamento da safra; assessoria agronômica; consultoria em sustentabilidade e certificações em agricultura regenerativa e de baixo carbono; soluções para financiamento agrícola; e serviços de comercialização e logística da colheita.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A empresa também oferecerá aos agricultores serviços de agricultura digital, incluindo informações em tempo real, recomendações e alertas usando dados de campo coletados por satélite.

“A Orígeo irá expandir nossa oferta aos agricultores desta região para abranger toda a cadeia de alimentos e isso é um exemplo do nosso compromisso OpenAg para promover uma agricultura colaborativa”, disse Rogério Castro, CEO da UPL Brasil.

O negócio está sujeito ao cumprimento de condições precedentes costumeiras a este tipo de transação, incluindo sua aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

(Por Roberto Samora)

Compartilhe esta publicação: