Participação da Acelen no mercado de lubrificantes no Brasil sai de 7% para 11%

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


(.)

Por Rafaella Barros

SÃO PAULO (Reuters) – A refinaria de Mataripe, na Bahia, aumentou sua participação nas vendas de lubrificantes no país de 7% para 11% no seis primeiros meses de operação, disse a Acelen, empresa criada pelo fundo árabe Mubadala que assumiu a gestão do ativo em dezembro, depois de comprá-lo da Petrobras por 10,1 bilhões de reais.

Mataripe foi a primeira a ser privatizada, da lista de 8 refinarias que terão que ser vendidas pela petroleira pelo acordo feito em 2019 com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Segundo comunicado da Acelen, manutenções periódicas na unidade contribuíram para um melhor desempenho, por meio do aumento da confiabilidade operacional da refinaria.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A empresa ainda não fez investimentos em aumento da capacidade de produção, apostando na otimização da estrutura já existente.

Os lubrificantes produzidos na refinaria são destinados principalmente à Bahia e aos Estados da região Sudeste. O foco são os mercados automotivo, industrial, farmacêutico e do agronegócio.

A empresa afirmou ainda que a operação mais eficiente reduziu a necessidade de importação brasileira de óleos básicos.

A companhia não revela números de produção, mas dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) mostram que, em todo o ano passado, a refinaria, então chamada Landulpho Alves, produziu 4 milhões de litros de lubrificantes. Neste ano, de janeiro a abril, Mataripe produziu 3 milhões, ou seja, 75% do total de 2021.

(Por Rafaella Barros)

Compartilhe esta publicação: