Safra de café do Brasil terá aumento em 23/24, mas será modesto, diz Taka Insights

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


Por Marcelo Teixeira

NOVA YORK (Reuters) – O Brasil, maior produtor mundial de café, deve ter uma safra robusta em 2023/24 (julho-junho), mas o aumento será modesto e longe de um recorde de produção que alguns analistas têm esperado, disse a empresa de inteligência de commodities Taka Insights nesta quarta-feira.

A empresa, que produz modelos diários de previsão de safra usando sensoriamento remoto e dados de estações meteorológicas, projetou a produção de café arábica 2023/24 (julho-junho) do Brasil em 40,68 milhões de sacas de 60 kg, um pequeno aumento em relação à safra 2022/23 vista em 38,48 milhões de sacas que estão sendo colhidas atualmente.

“Isso pode parecer surpreendente para alguns, que antecipavam uma recuperação muito maior devido a alguns meses de chuvas bem acima da média, mas o NDVI mostra claramente o déficit extremo de umidade no início do ciclo de crescimento vegetativo”, disse a empresa em nota enviada à Reuters.

O índice de vegetação (NDVI, na sigla em inglês) é considerado uma forma eficiente para prever a produção.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A analista de commodities softs Judith Ganes, cofundadora do programa de café Taka Insights, disse que a coleta de dados agora cobre cerca de 75% da área de arábica no Brasil com monitoramento diário.

Ela disse que as árvores de arábica no Brasil ainda estão se recuperando de uma seca e geadas severas em 2021, portanto, não conseguem produzir uma grande safra, como a produção recorde vista no ciclo 2020/21.

O café arábica responde por cerca de dois terços da produção total, com o restante vindo de árvores de café robusta.

A Taka Insights ainda está trabalhando no mapeamento da participação do robusta na produção brasileira de café.

Compartilhe esta publicação: