Ibovespa fica abaixo de 92 mil pontos

Reuters
Índice fechou em queda com o embate comercial entre EUA e China

O Ibovespa fechou em forte queda hoje (13), após a China anunciar aumento de tarifas de importação de produtos norte-americanos em resposta à taxação dos Estados Unidos anunciada na semana passada, agravando o embate comercial entre os dois gigantes econômicos.

LEIA MAIS: Ibovespa recua em semana de negociações EUA-China

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 2,69%, a 91.726,54 pontos. O volume financeiro somou R$ 13,6 bilhões.

Pequim anunciou nesta segunda-feira elevação de tarifas contra US$ 60 bilhões em produtos norte-americanos a partir de junho, em resposta à decisão dos EUA de elevar tarifas sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses.

A medida ocorreu após o presidente norte-americano, Donald Trump, ter alertado Pequim a não retaliar o movimento de Washington na semana passada. Trump disse esperar se reunir com o presidente chinês, Xi Jinping, na cúpula do G20 no fim de junho.

“As tensões comerciais continuarão a ser um ponto focal importante para os mercados e o sentimento de risco”, disse o analista Jasper Lawler, chefe de pesquisa no London Capital Group, em nota a clientes.

Investidores temem que a deterioração nas negociações e o prolongamento do embate, com potenciais tarifas adicionais norte-americanas ou novas medidas de retaliação chinesas, possam ter forte impacto no crescimento global.

VEJA TAMBÉM: Ibovespa fecha em queda com exterior

No caso do Brasil, uma desaceleração mais forte na atividade econômica mundial, com reflexos no consumo de commodities como minério de ferro e soja, pioraria ainda mais o cenário de crescimento no país, que tem frustrado economistas.

Pesquisa Focus nesta segunda-feira mostrou a 11ª revisão para baixo nas projeções de mercado para Produto Interno Bruto (PIB) em 2019, com a mediana das estimativas agora apontando expansão de 1,45%.

Na seara política, agentes de mercado veem um cenário cada vez mais desafiador, com uma pauta na semana relativamente pesada, incluindo novas audiências em comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa a reforma da Previdência.

A temporada de resultados no Brasil também entra em sua reta final nesta semana, incluindo os balanços de Cosan e JBS nesta segunda-feira, após o fechamento da bolsa.

“Apesar da atividade mais fraca no Brasil, as empresas registraram resultados em média ligeiramente melhores que o esperado, embora com maiores destaques negativos”, notou a XP Investimentos, a partir dos resultados divulgados até o momento.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).