Sexo, misoginia e corrupção cercam o dono do Bumble

Andrey Andreev é acusado de sonegar impostos e promover um ambiente de trabalho tóxico

Redação
Compartilhe esta publicação:

Reprodução

Acessibilidade


Enquanto escrevia um perfil sobre o bilionário russo e fundador do Badoo, Andrey Andreev, a repórter de Forbes Angel Au-Yeung ouviu boatos sobre misoginia e hipocrisia nos escritórios do app de encontros, que tem 60 milhões de usuários ativos.

Angel investigou as reclamações contra o bilionário, que também é acionista majoritário do Bumble, um app de encontros focado no empoderamento de mulheres, e descobriu uma história chocante sobre sexismo e ambiente de trabalho tóxico.

O bilionário é acusado de promover misoginia e racismo em sua empresa. Ex-funcionários denunciam vídeos pornográficos de colaboradores, assédio e festas regadas a drogas e prostituição.

Badoo é o maior ativo da Magic Lab, holding dos apps de relacionamento, com 60 milhões de usuários. A fortuna de Andreev é estimada em US$ 1,5 bilhão pela Forbes.
Após denúncias publicadas pela Forbes, empresa diz buscar investigar e solucionar casos.

Leia a matéria completa aqui.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: