3 perguntas para saber como é realmente seu relacionamento com o chefe

Getty Images / Westend61
É necessário avaliar o relacionamento com um chefe desconectado ou desafiador para melhorá-lo

Resumo:

 

  • Compreender como agir para criar e manter um relacionamento produtivo com o chefe é essencial para favorecer o sucesso profissional; 
  • Da mesma maneira que se deseja que um superior conheça e apoie o funcionário, é preciso priorizar regularmente a descoberta de suas necessidades e motivações;
  • Ser verdadeiro consigo mesmo sobre a natureza do relacionamento e buscar uma relação de proximidade, como a de colegas, são estratégias para melhorar a interação.

Em um mundo perfeito, todos os chefes seriam ótimos os profissionais trabalhariam para indivíduos empáticos e solidários, que entendem os dons únicos de cada um e os inspiram a serem os melhores líderes. Mas isso não é realidade.

VEJA MAIS: Relação ruim com o chefe? Veja como consertar o problema

De acordo com a Gallup, 70% dos trabalhadores norte-americanos se classificam como “não engajados” ou “ativamente desengajados” no trabalho, o que mostra o nível de qualidade do relacionamento entre líderes e funcionários das organizações atualmente. Na verdade, muitas das pessoas desengajadas são elas próprias líderes, que trabalham sem inspiração e transmitem o mesmo sentimento aos seus subordinados diretos.

Você se encontra na pequena porcentagem de pessoas que já trabalha para alguém excelente ou naquela que aproveitará essa oportunidade para avaliar se seu relacionamento com um chefe desconectado ou desafiador pode ser melhorado?

De qualquer forma, é importante entender o papel que você desempenha na criação e manutenção de um relacionamento produtivo com o seu superior, o qual o posicionará não apenas para o sucesso em seu trabalho atual, mas também para o próximo. Aqui estão as três perguntas que você deve fazer a fim de avaliar a qualidade da sua conexão com seu chefe e como melhorá-la, se necessário.

  • 1. Ele o vê como um colega?

    O respeito não é uma decisão do tipo tudo ou nada. Você pode respeitar alguém como um ser humano ou por possuir uma habilidade específica, mas não respeitá-lo como seu colega. Não importa qual seja o seu relacionamento com os relatórios ou a quantidade de experiência que seu chefe possa ter, respeitá-lo como um colega é buscar e confiar em seus conselhos, especialmente em assuntos nos quais você está mais familiarizado do que eles.

    No entanto, muitas pessoas trabalham para um chefe que solicita informações apenas para ignorá-las em 95% das vezes, ou talvez, eles nem se querer façam a solicitação. Embora seja tarefa dos líderes avaliar opções e tomar decisões independentes, no fundo você sabe se o seu superior valoriza sua perspectiva e confia em seu julgamento, pois é uma percepção possível de se sentir sempre ao interagir com eles.

    Seja verdadeiro consigo mesmo sobre a natureza do seu relacionamento.

    Se o seu chefe não o vê como um colega, é preciso se perguntar o por quê. Você cometeu alguns erros que obscureceram a visão dele sobre a sua pessoa? Está sem experiência em uma área crítica? Ele ficou tão distraído com os compromissos de trabalho que não conseguiu conhecê-lo? Ou é arrogante demais para confiar nos outros? Idade, racismo, preconceito de gênero ou heterossexismo estão em jogo?

    É importante entender por que ele não te enxerga como um colega pois isso pode destacar um problema com a cultura da empresa, uma deficiência de liderança ou algo que você precisa trabalhar em seu comportamento. Não tire conclusões precipitadas e anule o relacionamento, nem deixe essa preocupação sem solução.

    Quando você trabalha para alguém que não tem um respeito significativo por suas capacidades ou não considera sua intelectualidade equivalente à dele, isso limitará sua carreira. Ser reconhecido como um colega não apenas torna o trabalho em conjunto mais fácil e agradável, mas também é um passo necessário para mudar sua carreira para o próximo nível. Encontre maneiras de mostrar seu valor ou considere mudar de emprego, pois se sentirá sufocado se não o fizer.

  • 2. Você sabe quais habilidades seu chefe está desenvolvendo em você?

    A diferença entre ser funcionário de alguém e ser preparado para a sua próxima função depende de aprendizado e desenvolvimento. Caso não tenha ideia de quais habilidades seu chefe pode ou não estar desenvolvendo em você, há uma boa chance de que ele não esteja desenvolvendo nenhuma.

    Um chefe que trabalha sem a intenção de melhorar seu desempenho, provavelmente também não investe em sua progressão de carreira. No entanto, isso não significa que você não gosta de ser um funcionário subordinado a ele. Sua satisfação com relação a seu chefe é influenciada por muitas outros fatores, como personalidade e flexibilidade.

    Saiba que, se você trabalha para um superior que não desenvolve ativamente suas habilidades, provavelmente, é funcionário de alguém que também não se esforça a fim de procurar novas oportunidades de aumentar sua visibilidade e advogar por seu crescimento profissional.

    Algo que ótimos chefes fazem de maneira diferente é elogiar seus funcionários quando eles não estão por perto. No entanto, é impossível saber o que alguém diz sobre você quando não está presente, por isso torna-se difícil compreender se o seu superior faz isso genuinamente ou não. Em vez de se basear neste critério, avalie a quantidade de atenção colocada em seu desenvolvimento, pois esse é um indicador claro do nível de engajamento e apoio que seu chefe tem em relação a você.

    Se perceber que não têm sido desenvolvido pelo seu chefe, ainda há esperança para o relacionamento. Estes profissionais são ocupados e melhorar a relação com os funcionários pode ter se tornado uma daquelas tarefas “importantes, mas não urgentes”, fáceis de ser deixadas de lado.

    Ajude seu chefe a reavivar e priorizar seu desenvolvimento, iniciando uma conversa sobre onde ele acha que você tem mais potencial para crescer e as atividades específicas que vocês dois podem realizar para levá-lo ao próximo nível.

  • 3. Você entende as motivações dele?

    Você sabe o que motiva seu chefe? O que ele espera para a sua carreira? Que aspectos importam na vida dele? Se não souber as respostas para essas perguntas, será incapaz de se agir para atender à definição de sucesso deles.

    Um ótimo relacionamento com seu superior é marcado por uma dinâmica em que ambos são beneficiados. É necessário ajudar seu chefe a conseguir o que quer, da mesma forma que ele precisa fazer o mesmo por você.

    Para alguns líderes, isso significa algo tangível, como crescimento de vendas ou dinheiro economizado, embora possa ser mais subjetivo para outros. Você pode desempenhar um papel fundamental a fim de ajudar o seu superior a ser reconhecido no setor, aumentar sua visibilidade interna, encontrar maior significado em seu trabalho ou ter mais tempo para passar com sua família.

    Há chefes que sempre se sentirão mais confortáveis em se esconder ou seguir sua agenda sozinhos. E por conta dessa escolha ser deles, isso deve revelar que você não faz parte do seu círculo interno, o relacionamento entre superior e funcionário nunca será próximo.

    Entretanto, antes de colocá-lo nessa categoria ou desistir de fazer parte das discussões, tente mostrar um interesse maior em conhecê-lo de forma mais íntima, e não apenas como chefe. Por meio de uma série de conversas informais, é possível obter informações sobre o histórico pessoal e de carreira, o que eles aprenderam sobre a empresa e como ela moldou seus objetivos atuais.

    Da mesma maneira que você deseja que seu chefe o conheça e apoie, é preciso priorizar regularmente a descoberta de suas necessidades e motivações.

1. Ele o vê como um colega?

O respeito não é uma decisão do tipo tudo ou nada. Você pode respeitar alguém como um ser humano ou por possuir uma habilidade específica, mas não respeitá-lo como seu colega. Não importa qual seja o seu relacionamento com os relatórios ou a quantidade de experiência que seu chefe possa ter, respeitá-lo como um colega é buscar e confiar em seus conselhos, especialmente em assuntos nos quais você está mais familiarizado do que eles.

No entanto, muitas pessoas trabalham para um chefe que solicita informações apenas para ignorá-las em 95% das vezes, ou talvez, eles nem se querer façam a solicitação. Embora seja tarefa dos líderes avaliar opções e tomar decisões independentes, no fundo você sabe se o seu superior valoriza sua perspectiva e confia em seu julgamento, pois é uma percepção possível de se sentir sempre ao interagir com eles.

Seja verdadeiro consigo mesmo sobre a natureza do seu relacionamento.

Se o seu chefe não o vê como um colega, é preciso se perguntar o por quê. Você cometeu alguns erros que obscureceram a visão dele sobre a sua pessoa? Está sem experiência em uma área crítica? Ele ficou tão distraído com os compromissos de trabalho que não conseguiu conhecê-lo? Ou é arrogante demais para confiar nos outros? Idade, racismo, preconceito de gênero ou heterossexismo estão em jogo?

É importante entender por que ele não te enxerga como um colega pois isso pode destacar um problema com a cultura da empresa, uma deficiência de liderança ou algo que você precisa trabalhar em seu comportamento. Não tire conclusões precipitadas e anule o relacionamento, nem deixe essa preocupação sem solução.

Quando você trabalha para alguém que não tem um respeito significativo por suas capacidades ou não considera sua intelectualidade equivalente à dele, isso limitará sua carreira. Ser reconhecido como um colega não apenas torna o trabalho em conjunto mais fácil e agradável, mas também é um passo necessário para mudar sua carreira para o próximo nível. Encontre maneiras de mostrar seu valor ou considere mudar de emprego, pois se sentirá sufocado se não o fizer.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).