9 dicas para tornar sua equipe de liderança excepcional

gettyimages-peopleimages
Ser líder de uma equipe não é tão simples quanto parece e mesmo com preparativos algumas coisas saem do controle

Eu recentemente assisti a um executivo realizando sua primeira reunião de equipe de liderança. Apesar de seus preparativos e preliminares, as coisas não fluíram naturalmente. Ao longo das semanas seguintes, ele conseguiu se recuperar e “recomeçar”, mas me perguntei o que o atrapalhou naquele início. Em nossa conversa, grande parte de suas conclusões começaram com “eu pensei que…” revelando alguns equívocos que ele tinha sobre o que significava ou não realmente estar à frente de uma equipe de liderança. Quando tudo começou, a lacuna entre o que pretendia fazer e o que os instintos o levaram a fazer era muito maior do que ele esperava.

A partir dessa experiência, e em muitas observações de líderes e equipes antes disso, aprendi muito sobre como não liderar uma equipe. Então, essa é a minha lista de desejos para as equipes de liderança. Os conselhos que eu mais ofereço aos clientes cujas equipes estão indo mal. As oportunidades perdidas que eu mais vi irem pelo ralo em times que tinham um enorme potencial. As escolhas de liderança que podem criar ou quebrar a dinâmica de coesão e energização de uma equipe. É a minha versão de guia essencial para ser um líder maravilhoso de uma equipe.

LEIA TAMBÉM: Liderança: 3 dicas para lidar com ambiente de trabalho tóxico

Veja na galeria a seguir nove dicas para transformar sua equipe de liderança em um time excepcional:

  • Tenha certeza de que é realmente uma equipe

    Ter você como chefe não significa que seus subordinados diretos sejam uma equipe. Ter um trabalho interdependente que exige que eles confiem e colaborem entre si faz deles uma equipe. Para promover um comportamento de equipe verdadeiro e de qualidade, é preciso garantir que o trabalho que eles realizam exija colaboração. Definitivamente, você deseja evitar um modelo de liderança puro e concentrado, onde é essencial que todo tipo de interação e todos os caminhos de decisão levem a você. Mas, se o trabalho do seu pessoal não for um trabalho interdependente, a maneira como você aborda a criação de coesão é diferente.

  • Incorpore uma carta

    Depois que você souber que tem realmente uma equipe, terá de definir o que esse grupo fará. Uma carta bem desenvolvida e codesenvolvida que define o objetivo abrangente da equipe, seus direitos de decisão e qual o valor que ela criará para a organização que você lidera é fundamental. Uma carta também inclui suas “regras de caminhada”, os padrões pelos quais você interagirá em equipe. Isso serve como sua bússola e declara no que você irá ou não focar. Além disso, define o que será falado nos encontros e reuniões, estreitando sua atenção para áreas em que apenas sua equipe pode trabalhar, com um conjunto limitado de prioridades nas quais você se atém, deixando de lado o restante para que outros na organização atendam. Sem isso, sua equipe irá vagar sem objetivos e metas acertadas.

  • Crie um ambiente seguro

    Uma vez que você determinou onde a interdependência está entre aqueles que você lidera, e onde o comportamento colaborativo real é necessário, a primeira coisa que você precisa ter certeza é de que o conflito pode surgir. A segurança psicológica é necessária para que as pessoas sintam que podem falar o que está em suas cabeças: discordar de um colega, oferecer opiniões discordantes para o pensamento vigente, além de contribuir em suas reuniões de equipe com um espírito de dissidência aberta. Quando se trata de você como chefe, eles podem dizer livremente “coisas duras”, inclusive abordando assuntos sobre a sua atuação na equipe. Uma das coisas que você deve fazer para criar essas condições é pedir regularmente o feedback da sua equipe e, em seguida, agir sobre ele. E, pelo menos uma vez por trimestre, faça uma sessão onde todos na equipe gastam 15 minutos conversando para compartilhar feedback e oferecer sugestões para o fortalecimento de suas conexões.

  • Encontre maneiras de dizer “eu me preocupo com você”

    Não necessariamente com palavras (embora isso também seja bom!), mas com ações que tornam as palavras verdadeiras. Na Navalent, minha empresa, expressamos livremente nosso amor e consideração um pelo outro. A consideração mútua que você exige de sua equipe influencia muito na força que ela tem, especialmente no quão bem eles respondem durante contratempos ou desafios imprevistos. Se você permitir que relacionamentos medíocres apodreçam, a equipe fica enfraquecida. É claro que você não pode forçar o “amor”, respeito mútuo, amizade ou cuidado profundo, mas pode modelá-lo e reforçá-lo quando tiver acesso. E aceite que levará tempo (às vezes, anos) para criar esses laços. Certifique-se de não ser “tão rígido” que não seja possível integrar novos membros. Mas faça com que sua equipe se sinta em um lugar onde elas sentem um profundo senso de consideração e carinho por você e seus colegas.

  • Tire as ervas daninhas

    Demitir pessoas é uma das coisas mais difíceis que um líder deve fazer (especialmente se você os contratou), mas deixar o desempenho de um funcionário definhar é cruel com a própria pessoa e com o resto da equipe. Você também está os confundindo sobre o que você realmente quer para a empresa. A realidade é que, especialmente quando as equipes evoluem e as coisas mudam, alguns não são capazes de se adaptar ou contribuir conforme a necessidade. Não ignore isso quando acontecer. Seja compassivo, mas decisivo.

  • Não crie falso igualitarismo

    Um dos piores erros que os líderes cometem, sob o pretexto de criar um sentido de inclusão, é estabelecer um sentido de “somos iguais”. Como seres humanos, a igualdade é necessária. Mas, como parte das organizações, todos sabem que a igualdade não é real quando se trata de hierarquia, do nível de desempenho dos profissionais mais experientes, ou da relativa criticidade entre os projetos. Reconhecer que nem todo o trabalho ou talento é igual, e portanto, respaldado e recompensado de forma igualitária, é honesto e libertador. Tratar todo mundo como “o mesmo” é uma das coisas mais desrespeitosas que um líder pode fazer, não importa o quão bem intencionado esteja.

  • Criar pertencimento em todas as direções

    A coesão em uma equipe é um ingrediente vital para o alto desempenho. Um sentimento de pertencer um ao outro é fortalecido quando se forma em todas as direções, vertical e horizontalmente. Se você criar uma coesão “centralizada e falada”, a equipe pertencerá a “você”, o que não é saudável. Eles também precisam pertencer um ao outro. Um sentimento de pertencimento se forma quando as pessoas não sentem mais a necessidade de se editar, se esconder ou guardar. Eles confiam nas suas motivações e de seus colegas e acreditam, inatamente, que fazem parte daquilo. Como líder, você pode promover isso entre sua equipe, não apenas com eles, mas pela maneira como você faz as principais tarefas dos projetos, combina grupos de tarefas com pessoas com quem eles não trabalham rotineiramente e cria caminhos entre a equipe que reduzem a dependência em você como tomador de decisão ou solucionador de problemas. Isso é especialmente importante se sua equipe é distribuída ou virtual e não interage diariamente. Equilibre o uso de tecnologias de vídeo e bate-papo com os encontros pessoalmente. O custo vale o investimento.

  • Acabe imediatamente com os conluios

    Um dos inevitáveis efeitos colaterais de cultivar uma equipe forte são os momentos em que ele regride a conluio. Exclusões, fofocas e outras formas de comunicações são um câncer. E, como líder, você pode até não perceber que faz parte disso. Até alguém chegar em você e dizer: “Ei, você já percebeu o jeito ‘diferente’ que a Sharon viu as cotações nesta semana? Eu não sei o que está acontecendo, mas você tem algum coaching para me ajudar a ficar com o ânimo dela?”. Você pode se sentir tentado a “ajudar” e pegar a isca. A única resposta apropriada como líder é: “Isso soa como uma grande questão para Sharon. Devo ligar para ela para que você possa perguntar a ela?”. No momento em que você deixar o seu povo saber que você não vai tolerar essas coisas, eles vão se intensificar para uma comunicação mais madura, aberta e direta entre si, e com você.

  • Mantenha-se conectado às histórias maiores

    A história de sua equipe está aninhada dentro de inúmeras outras histórias. A história do seu departamento ou região, da sua empresa e do setor. Além disso, cada membro da sua equipe traz a sua própria história e propósito, que formam ninhos dentro dessas histórias maiores. Essas vivências mais amplas ajudam a sustentar perspectivas maiores, mantendo-nos conectados a uma missão maior e fundamentados no impacto que podemos finalmente causar juntos. Durante temporadas intensamente exigentes ou contratempos desafiadores, manter-se conectado com as histórias mais amplas cria resiliência e reservas de otimismo. Fale sobre esses propósitos regularmente com sua equipe. Pergunte sobre como as pessoas ficam inspiradas com tudo isso. Sempre há uma história maior para comemorar.

Tenha certeza de que é realmente uma equipe

Ter você como chefe não significa que seus subordinados diretos sejam uma equipe. Ter um trabalho interdependente que exige que eles confiem e colaborem entre si faz deles uma equipe. Para promover um comportamento de equipe verdadeiro e de qualidade, é preciso garantir que o trabalho que eles realizam exija colaboração. Definitivamente, você deseja evitar um modelo de liderança puro e concentrado, onde é essencial que todo tipo de interação e todos os caminhos de decisão levem a você. Mas, se o trabalho do seu pessoal não for um trabalho interdependente, a maneira como você aborda a criação de coesão é diferente.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).