Como controlar as emoções no trabalho com uma simples estratégia

Getty Images- / Westend61
O princípio da psicologia de “ação oposta” visa redirecionar sentimentos intensos para comportamentos mais saudáveis

Emoções no local de trabalho podem ser traiçoeiras. Às vezes, elas o inspiram a agir de modo a beneficiá-lo; outras, entretanto, o levam à auto-sabotagem.

Uma maneira de lidar com essa situação no ambiente profissional é por meio de estratégia de “ação oposta”. Esse princípio da psicologia encoraja a aceitação e o trabalho com as emoções, ao invés de negá-las. Ele visa redirecionar sentimentos intensos para comportamentos mais saudáveis, de modo a fazer o oposto ao que o estado emocional induz.

VEJA MAIS: Inteligência Emocional: Como lidar com emoções difíceis

Veja na galeria de imagens a seguir como agir de acordo com o princípio quando se trata, por exemplo, de um feedback negativo:

  • Identifique o desejo relacionado às emoções sentidas

    Supõe-se que você se sinta arrasado por conta de um feedback construtivo fornecido pelo chefe sobre como sua apresentação pode ser melhorada. O que acontece quando se lembra de outras vezes em que tipicamente experimentou fortes sentimentos de decepção? Com quais ações ou impulsos se deparou? É provável que sinta vontade de fugir ou se esconder e tenha se trancado no quarto por horas para chorar depois de tirar uma nota ruim em uma avaliação da escola. Quando adulto, talvez experimente o mesmo desejo de se isolar e recuar ao receber um feedback negativo.

  • Julgue se o desejo se adequa à situação

    Seu desejo de fugir diante do sentimento de decepção pode impulsioná-lo a evitar a interação com a chefe. Talvez pense em se esconder em uma sala de conferências na próxima vez que a vir pelo corredor ou trabalhar em casa por alguns dias para se recuperar do contratempo. Considere se alguma dessas ações realmente o beneficiaria.

  • Se o desejo não se adequa à situação ou o aproxima de seus objetivos, tome medidas opostas

    Simplificando, faça o inverso do que sente. Eu treino meus clientes para pensar em três ações alternativas. A primeira é normalmente uma resposta movida pelo medo, mas que pode se tornar menos extremas porque você está reativando seu córtex pré-frontal (área do cérebro responsável pelo autocontrole e pensamentos positivos). A terceira opção é, no geral, a mais emocionalmente equilibrada e o deixará com um alto senso de satisfação e contentamento.

    Por exemplo, talvez a primeira ação que pensar em tomar seja a determinação a fim de alterar sua apresentação. Este é um bom começo, mas mergulhar de cabeça no trabalho pode ser apenas mais uma estratégia de prevenção e não o ajuda a processar as emoções intensas que sente.

    Como segunda opção, considere conversar com um amigo ou procurar um mentor. Mais uma vez, isso mostra um grande esforço, mas este companheiro ou uma parte externa pode realmente ajudá-lo a resolver o problema? É melhor agir em sua terceira opção, de modo a conversar diretamente com sua chefe, para ter clareza nos comentários que ela lhe deu.

    Você não apenas obterá a direção que procura, mas também se sentirá fortalecido e mais confiante como resultado de trabalhar com suas emoções intensas de uma maneira produtiva e alinhada com seus objetivos e valores.

Identifique o desejo relacionado às emoções sentidas

Supõe-se que você se sinta arrasado por conta de um feedback construtivo fornecido pelo chefe sobre como sua apresentação pode ser melhorada. O que acontece quando se lembra de outras vezes em que tipicamente experimentou fortes sentimentos de decepção? Com quais ações ou impulsos se deparou? É provável que sinta vontade de fugir ou se esconder e tenha se trancado no quarto por horas para chorar depois de tirar uma nota ruim em uma avaliação da escola. Quando adulto, talvez experimente o mesmo desejo de se isolar e recuar ao receber um feedback negativo.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).