Carreira pós-Covid-19: por que é difícil prever um futuro melhor

getty images
Muitas das previsões para as carreiras pós-Covid 19 são meras especulações

Considerando o quão terrível os seres humanos são em fazer previsões precisas, é notável o quanto tentamos fazer isso mesmo assim.

De especialistas em TV conectando sofisticados modelos de dados a políticos barulhentos e até membros da família saudando curas milagrosas para doenças que eles não conseguem nem pronunciar –somos todos péssimos em entender o quão pouco sabemos realmente.

LEIA MAIS: Home office não vai terminar após controle da pandemia, dizem especialistas norte-americanos

Um livro de 2005 do psicólogo da Universidade da Pensilvânia Philip Tetlock ilustrou isso. Tetlock avaliou a precisão de milhares de previsões de supostos especialistas em todo um espectro de questões. O resultado? As previsões se mostraram mais fracas em termos de precisão do que se macacos tivessem jogado dados. Chimpanzés literalmente poderiam ter feito um trabalho melhor.

No entanto, a Covid-19 parece ter transformado todos em uma bola de cristal e o mundo do trabalho não é exceção. O trabalho remoto forçado para grandes proporções da população provocou previsões de que o escritório em casa será o novo e duradouro normal quando a Covid-19 desaparecer.

Alguns têm prognosticado que a poluição cairá à medida que as deslocações forem reduzidas. Outros estão dizendo que, coletivamente, promoveremos uma abordagem mais entusiástica do trabalho flexível, porque provamos que podemos: seremos mais tolerantes com as necessidades pessoais de nossos colegas, exatamente como estávamos durante a quarentena.

Muitas empresas, antes um tanto insensíveis e em grande parte voltadas para a receita, melhorarão com esta crise por causa das dificuldades que ela causou. Como tal, existem expectativas de que essas empresas se tornem mais flexíveis em torno de suas margens capitalistas e mais atentas a todos os interessados. Os funcionários serão tratados com compaixão e empatia porque foram a equipe que ajudou a navegar na tempestade brutal. O desempenho será medido tanto em propósito quanto em lucro, porque a Covid-19 forneceu uma perspectiva. Nunca mais seremos ingratos por nossas liberdades e privilégios –seja um salário, um jardim, uma refeição quente ou um abraço.

Na verdade, infelizmente, provavelmente seremos.

Os seres humanos são criaturas inconstantes e esquecidas que, além de terríveis meteorologistas, também são míopes, impacientes e geralmente focados na gratificação instantânea ou na coisa mais próxima possível dela.

Como escreve Bina Venkataraman, ex-consultora climática do governo Obama, em seu livro de 2019 “The Optimist’s Telescope” (ou “O Telescópio dos Otimistas”, em tradução livre): “O futuro é uma ideia que precisamos conjurar em nossas mentes, não algo que percebemos com nossos sentidos. O que queremos hoje, em compensação, muitas vezes podemos sentir como um desejo.”

Nosso anseio por uma existência pré-pandêmica (não é necessário olhar além das mídias sociais) é uma forte evidência do fato de que provavelmente reverteremos para velhos hábitos e comportamentos, bons e ruins, quando os bloqueios forem suspensos e o distanciamento social for cancelado. Nós gostamos de conforto e liberdade de escolha. No local de trabalho e além, tendemos a escolher um caminho de menor resistência, porque é assim que nós somos.

O coronavírus nos tornou mais conscientes e econômicos em termos ambientais, mais colaborativos e compreensivos, mas quase exclusivamente porque fomos forçados a ser. Quando esses parâmetros desaparecerem, haverá pouco para garantir que a grande maioria dos bons e nobres hábitos que adotamos durante esse tempo incomum permaneçam automaticamente como algumas previsões sugerem.

Nas últimas semanas, provamos que podemos adotar o trabalho flexível. Experimentamos em primeira mão que apoiar entes queridos não significa não ser capaz de manter uma carreira. Há um lugar para compaixão e empatia no trabalho, e isso não é apenas porque nosso local de trabalho é atualmente uma ampla rede de quartos, mesas de cozinha e salas de estar, repleta de pertences pessoais, crianças e animais de estimação, conectados via Zoom e em exibição para todos.

Por mais conveniente que seja, a Covid-19 não tornará o mundo do trabalho um lugar melhor. Os seres humanos são inerentemente mais preguiçosos, mais egoístas e mais míopes do que muitas de suas projeções preveem. Mas a memória desse interlúdio de isolamento servirá como um lembrete poderoso do que somos capazes e até que ponto podemos levar as coisas se precisarmos ou simplesmente quisermos. Esse vírus pode ser um catalisador de mudanças positivas, mas é totalmente nossa a responsabilidade de usá-lo dessa maneira.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).