Home office não vai terminar após controle da pandemia, dizem especialistas norte-americanos

Getty Images / Westend61
Visto que uma grande quantidade de empregos pode ser realizada em casa, mesmo com o controle da pandemia é possível que o home office permaneça

À medida que a crise do coronavírus reformula a forma de trabalhar no mundo todo, um novo estudo do National Bureau of Economic Research (organização sem fins lucrativos norte-americana voltada para pesquisa) revela que 37% dos empregos nos Estados Unidos, por exemplo, podem ser realizados em casa.

Segundo o NBER, esses 37% representam 46% de todos os salários. Apesar de empregos com remunerações mais altas nos setores de finanças e serviços profissionais poderem ser realizados em casa, uma quantidade muito menor de ocupações com salários mais baixos nas áreas de varejo e agricultura ou até mesmo em hotéis e restaurantes, podem seguir a mesma linha.

VEJA MAIS: Porque o fim da pandemia pode não ser o fim do home office

Atualmente, cerca de 5% dos trabalhadores estão trabalhando de casa, segundo a companhia de serviços financeiros Jefferies Group. A empresa estima que esse número dobrará após a crise do coronavírus.

Os analistas da organização dizem que isso terá efeitos profundos nos requisitos da tecnologia (com empresas aumentando seus orçamentos para hardware e software), no comportamento do consumidor (visto que mais pessoas têm comprado online e o número de viagens corporativas tem diminuído) e no tempo de lazer (conforme menos trabalhadores se deslocam).

Segundo o estudo do NBER, as cinco principais áreas metropolitanas para trabalhar em casa nos Estados Unidos são San José e São Francisco, na Califórnia; Washington D.C.; região de Durham e Chapel Hill, na Carolina do Norte; e Austin, no Texas. Quase metade dos empregos nesses locais –em setores como educação, ciência, finanças e seguros– poderia ser feito de casa.

Por outro lado, Grand Rapids, em Michigan; Lancaster, na Pensilvânia; Bakersfield e as áreas metropolitanas de Stockton, na Califórnia; bem como Fort Myers, na Flórida, são as piores regiões para trabalhar em casa. Menos de 30% dos empregos nesses locais –em setores como transporte e armazenagem, construção e varejo– poderiam ser executados remotamente.

Nas últimas três semanas, mais de 16,7 milhões de pessoas solicitaram subsídios temporários de desemprego, segundo o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos.

À medida que a pandemia atinge o mercado, fecha as escolas e prejudica a maioria dos aspectos da vida normal, as empresas começaram a demitir os trabalhadores.

A pandemia de coronavírus pode custar 47 milhões de empregos no país neste trimestre, segundo estimativas do Federal Reserve Bank de St. Louis. Isso significaria uma taxa de desemprego de 32,1%, bem acima do índice de 24,9% gerado durante a Grande Depressão.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).