Líderes também sofrem na crise: veja como ajudar seu chefe

getty images
Se colocar no lugar do seu chefe nessas ocasiões pode ser a melhor opção

Faz quase um mês desde que a Organização Mundial de Saúde classificou o vírus SARS CoV-2 como uma pandemia. Os locais de trabalho sentem o impacto do vírus por mais tempo. Os clientes desapareceram em aeroportos, hotéis e restaurantes. A demanda por outros serviços e muitos bens praticamente entrou em colapso. As cadeias de suprimentos estão sob estresse. O mais dramático de tudo é que os profissionais de saúde em todo o mundo estão na linha de frente contra o vírus. As instalações cuidam dos pacientes enquanto tentam superar a escassez de equipamentos de proteção individual, que dificulta o cuidado de seus funcionários.

A pandemia criou uma demanda para que as organizações se reinventem em tempo real para continuarem suas missões. O que está acontecendo dentro dessas organizações quando elas buscam essa reinvenção? Muita mudança. Para um número crescente de trabalhadores, um dia de trabalho consiste agora em uma série de chamadas via Zoom de um escritório em casa, no qual todos parecem relativamente profissionais –pelo menos da cintura para cima. Essas tecnologias de telecomunicações trazem novos riscos para o empregador: invadir salas do Zoom, por exemplo, não era um problema há um mês, mas agora o Departamento de Justiça diz que é crime.

LEIA MAIS: 6 maneiras de gerenciar sua carreira durante a crise de coronavírus

Para algumas indústrias, seus negócios não poderiam ser melhores. As empresas de remoção de lixo estão contratando enquanto correm para acompanhar a demanda. Equipes estão aparecendo, com equipamentos de proteção individual, para remover os entulhos. O tédio causado pelo distanciamento social superou nossa capacidade de procrastinar nas limpezas de porões e garagens.

Em outros setores, os gerentes enfrentam o desafio de se preocupar não apenas com a segurança dos funcionários, mas também dos clientes. Por exemplo, de acordo com os Centros de Controle de Doenças, aproximadamente um milhão de pessoas vivem em comunidades assistidas nos Estados Unidos. Os moradores dessas comunidades estão entre os mais vulneráveis ​​ao vírus, e os cuidados de que precisam exigem que os cuidadores e os residentes fiquem muito mais próximos um do outro do que deveriam. A pandemia requer treinamento aprimorado dos funcionários, equipamentos de proteção e tremenda quantidade de habilidade e paciência para os prestadores de cuidados darem aos residentes a assistência de que precisam com segurança. E os profissionais de saúde, precisam de garantia de que podem fazer seu trabalho com segurança. Os gerentes desse setor enfrentam responsabilidades duplas pela segurança de seus funcionários e residentes que precisam interagir de perto. Não há muitas ofertas do Zoom para ajudar um idoso a obter assistência com as atividades da vida diária necessárias para passar o dia.

No geral, algumas empresas estão tentando acompanhar a crescente demanda por bens ou serviços. Em outros casos, o principal desafio é entender como gerenciar um colapso na demanda com duração desconhecida. Em outros ainda, o problema crítico é operar com segurança quando o risco operacional está se acelerando de uma maneira nunca vista antes.

O elemento comum nesses três cenários é o tremendo nível de estresse sobre os líderes. A pandemia está testando lideranças em um nível mais alto do que em qualquer outro momento recente. Todos os dias, eles precisam tomar dezenas de decisões desconhecidas que afetam muitos outros –enquanto se preocupam com decisões repentinas e não rotineiras sobre distanciamento social seguro.

Oportunidades para ansiedade abundam em tal ambiente. Encontrar maneiras de determinar o melhor caminho a seguir e motivar os funcionários a seguir em frente são apenas dois elementos do que está tornando o trabalho do seu líder exaustivo. Os recursos psicológicos se esgotam rapidamente. Os líderes comprometidos enfrentam frustração após reuniões, crise após crise, à medida que lideram um ambiente que apresenta um coquetel angustiante de incerteza econômica, médica, política e social. E no futuro próximo, o amanhã não tem mais respostas do que hoje. Durante todo esse caos, os líderes devem demonstrar empatia como uma maneira de acalmar o nervosismo em suas organizações.

Obviamente, os líderes entendem o trabalho que fazem. Ao assumir a responsabilidade pelos outros, eles concordam em aparecer, carregar o peso dessa responsabilidade sobre seus ombros e fazer o possível para buscar o sucesso nos negócios. Em um bom dia, isso significa que um líder tem a sorte de encontrar maneiras de criar mais valor por meio da descoberta, em reconhecer maneiras inteligentes de ser um forte concorrente no mercado e de desenvolver as pessoas em todo o seu potencial. Atualmente, a preocupação com a segurança dos funcionários e clientes, a apreensão sobre a viabilidade dos negócios e a ansiedade com um futuro incerto são o que os assombra. Eles carregam esse peso com o fardo associado a ser um parceiro, pai, vizinho, filho ou filha.

Essas observações sobre a carga cognitiva sobre os líderes são possíveis em apenas algumas semanas, mas elas provavelmente serão uma luta longa e desafiadora –primeiro contra o vírus e depois para reiniciar a economia. Com o tempo, eles sofrerão inevitavelmente de esgotamento cognitivo –uma situação em que existe demanda por decisões mais complexas do que o cérebro pode processar adequadamente. Quando isso acontece, o desempenho do líder está em risco.

VEJA TAMBÉM: Como fazer networking em período de distanciamento social

Como seguidor, há coisas que você pode fazer para ajudar seu líder a prevenir ou mesmo evitar o esgotamento cognitivo. Obviamente, tente limitar o número de decisões que você exige dele. Quando você precisar da entrada ou aprovação, considere o momento do seu pedido. Aumentar o tamanho de uma fila já intimidadora só vai piorar as coisas. Use sua experiência para ir além do que você normalmente fornece, trazendo antecedentes e contexto, opções de enquadramento e hipóteses sobre os resultados prováveis ​​de cada opção. Quanto mais clara e minuciosa você tornar uma decisão para seu líder, menor será a demanda cognitiva.

Finalmente, uma das coisas mais valiosas que um funcionário pode fazer por sua organização é praticar a empatia com seus líderes. Ao demonstrar uma compreensão dos desafios em jogo, os seguidores criam uma oportunidade de apoiar esse líder. Todos nós queremos que as dificuldades que estamos enfrentando através da pandemia sejam compreendidas. Mas em tempos como esses, temos que fazer da empatia uma via de mão dupla.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).