3 maneiras de melhorar seu humor em época de pandemia

Getty Images
Getty Images

Com a mudança constante do panorama atual, o melhor maneira de lidar com tudo é o autocuidado

Quando meus amigos perguntam a mim e ao meu parceiro como estamos, meu parceiro diz algo do tipo: “Melhor do que a maioria. Somos gratos por estarmos seguros e confortáveis ​​em casa. Mas, ao mesmo tempo, é isso tudo é péssimo e eu odeio o que está acontecendo.”

Por um tempo, eu respondia: “Estamos ok!(?)”.

LEIA MAIS: Forbes promove primeiro webinar sobre Saúde Mental nas empresas. Participe

Parece que todos nós chegamos a um ponto de frustração sombria. Nas conversas com meus clientes, colegas e amigos, as últimas semanas foram descritas como um trabalho árduo, um “afe” geral ou, um tédio.

Isso é muito e pode prejudicar o modo como nos comportamos na vida pessoal e a profissional.

Veja a seguir três mudanças de mentalidade que podem ajudar manter a perspectiva e seguir em frente:

  • 1. Não há problema em pensar: “Tudo está péssimo e eu odeio isso”

    Especialmente porque muitos de nós estamos explorando mais profundamente nosso privilégio relativo, pode ser muito difícil nos dar espaço para lamentar nossas vidas antigas e reconhecer os desafios que enfrentamos agora.

    Em vez disso, nos envolvemos em “sofrimento comparativo”: minimizando nossa própria experiência porque outra pessoa tem uma pior. Vamos ser claros: isso não ajuda.

    A pesquisadora Brené Brown escreve que “o medo e a escassez desencadeiam imediatamente a comparação, e até a dor e a mágoa não são imunes a serem avaliadas ou classificadas. [No entanto,] os refugiados da Síria não se beneficiam mais se você conservar sua bondade apenas para eles, e retê-la do seu vizinho que está se divorciando.”

    Sofrimento é sofrimento. Não há necessidade de comparar. Ficar culpado porque você se sente péssimo não beneficia aqueles que estão piores que você. Dizer: “Isso tudo é péssimo e eu odeio” é totalmente permitido.

    Getty Images
  • 2. Para o bem ou para o mal, as coisas vão continuar acontecendo; então, você pode fazer o mesmo

    Na comunidade de coaching que conduzo, uma cliente recentemente expressou sua frustração, dizendo: “Normalmente, depois de fazer algo por quatro meses e meio, você se aprimora”. Mas por que isso não está acontecendo agora? Provavelmente porque, apesar de lidarmos com a pandemia há quase meio ano, o cenário continua mudando drasticamente a cada semana.

    Novamente, Brené Brown oferece uma perspectiva poderosa, desta vez sobre primeiras vezes. Ela descreve a incerteza e o medo que surgem quando fazemos algo novo como parte natural.

    Como não temos experiência ou conhecimento o suficiente na primeira vez que fazemos algo, podemos nos atrapalhar um pouco. Quer estejamos falando no palco pela primeira vez ou navegando em nossa primeira pandemia global, não podemos esperar que saibamos como responder a isso perfeitamente.

    O que funcionou para você no passado, antes ou mesmo durante a pandemia, não funcionará necessariamente no futuro. Passei por fases entusiasmadas de assar biscoitos, depois de fazer sudoku, e depois me concentrar em autocuidado. Cada rotina funciona por um tempo, até não funcionar mais.

    Recentemente, reconheci minha tristeza pela perda de viagens, que sempre me ajudaram a recompor regularmente a minha vida pessoal e profissional. Sem nenhuma palestra ou viagem adiante, eu queria algo pelo que ansiar.

    Comecei a bloquear minha agenda para viagens bate e volta à praia. Já comecei a planejar uma festa (virtual) de Halloween, já que pensar em festas e fantasias está entre as minhas atividades favoritas.

    Como o mal-estar pandêmico pode parecer implacável, pode ser muito bom adaptar sua rotina ou mudar de cenário, com segurança. Lembre-se de que você nunca esteve no seu quinto mês de uma pandemia global antes. Estamos todos nos adaptando a um estilo de vida profundamente diferente.

    Pode ser necessário explorar novas estratégias para tudo, de autocuidado lazer à produtividade. Seja gentil consigo mesmo e não espere se adaptar imediatamente.

    Getty Images
  • 3. Autocuidado: se não agora, quando?

    Ao discutirmos estratégias para lidar com as novas demandas de trabalho em casa, um cliente perguntou à nossa comunidade de treinadores: “Se você não vai se cuidar em uma pandemia global, então, quando vai?”

    Se alguma vez houve um tempo para ouvir as necessidades ou as nossas mentes e corpos, é agora.

    Como extrovertida que sou, nunca na minha vida almejei tempo sozinha como está acontecendo agora. Então, demorei um pouco para perceber que era disso que eu precisava. Pedi ajuda e tive o privilégio de dedicar tempo e espaço para ficar verdadeiramente sozinha, seja na natureza ou em outro cômodo de casa.

    Sintonize o que você precisa agora, peça suporte sempre que possível e espere que suas necessidades mudem.

    Por fim, tente perceber os prazeres simples que são mais significativos para você neste período de incerteza. Eles podem servir como âncoras amorosas para as alegrias cotidianas que ainda existem na vida atual.

    Getty Images

1. Não há problema em pensar: “Tudo está péssimo e eu odeio isso”

Especialmente porque muitos de nós estamos explorando mais profundamente nosso privilégio relativo, pode ser muito difícil nos dar espaço para lamentar nossas vidas antigas e reconhecer os desafios que enfrentamos agora.

Em vez disso, nos envolvemos em “sofrimento comparativo”: minimizando nossa própria experiência porque outra pessoa tem uma pior. Vamos ser claros: isso não ajuda.

A pesquisadora Brené Brown escreve que “o medo e a escassez desencadeiam imediatamente a comparação, e até a dor e a mágoa não são imunes a serem avaliadas ou classificadas. [No entanto,] os refugiados da Síria não se beneficiam mais se você conservar sua bondade apenas para eles, e retê-la do seu vizinho que está se divorciando.”

Sofrimento é sofrimento. Não há necessidade de comparar. Ficar culpado porque você se sente péssimo não beneficia aqueles que estão piores que você. Dizer: “Isso tudo é péssimo e eu odeio” é totalmente permitido.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).