Por que formar líderes humanitários e benevolentes nunca foi tão importante

Getty Images
Getty Images

A pandemia acelerou a tendência de incorporar a compaixão na cultura do trabalho

Organizações em todo o mundo estão mudando seu jeito de pensar depois que a pandemia acelerou e ampliou algumas tendências que já existiam no mercado. Entre elas, a necessidade de ter objetivos na liderança e de criar uma conexão cada vez mais significativa com os consumidores – que é, segundo a Deloitte, perceptível entre as gerações mais jovens.

Dada sua proximidade com a Geração Z, as universidades, especialmente aquelas que promovem uma cultura voltada ao serviço, atendem a esse desejo crescente por perspectivas menos materiais. Andrew Godley, diretor do Centro de Empreendedorismo da Henley Business School, é um especialista neste assunto e está convencido de que o desenvolvimento de comunidades fortes é algo vital. “As escolas de negócios que podem construir suas comunidades de alunos em torno desses valores prosperarão à medida que aproveitarem a disposição dos jovens de se comprometerem com um propósito”. Ainda segundo Terence Mauri, empreendedor mentor residente no MIT e na London Business School, a importância dessa conexão em algumas escolas empresariais continua porque a compaixão é uma virtude fundamental que está enraizada em uma necessidade humana básica – o cuidado.

LEIA MAIS: Por que a empatia é importante para uma boa gestão

Sua perspectiva é compartilhada por Selin Kudret, professor assistente na Kingston Business School, que sugere que a compaixão envolve a capacidade de aliviar o sofrimento de outra pessoa através da percepção da dor e de outras necessidades. “O sofrimento pode assumir várias formas”, diz ela. “Os sentimentos de uma mãe deixando seu filho doente em casa; perder um amigo próximo para o câncer; microagressões no trabalho; ou o ambiente incerto na pandemia, Tudo isso pode causar sofrimento e diminuir o potencial de um indivíduo para ser o seu melhor. ”

É preocupante que, à medida que o bem-estar dos funcionários diminui, o mesmo ocorre com a produtividade e o desempenho organizacional. A compaixão, portanto, apresenta uma oportunidade única de mitigar esse sofrimento. Em uma tentativa de despertar esse sentimento no trabalho, Jane Dutton, professora emérita da Michigan Ross, conclui que a compaixão pode ser um recurso organizacional natural e uma vantagem competitiva sustentável quando incorporada às estruturas e práticas do trabalho. As organizações têm o poder de ampliar a capacidade coletiva dos indivíduos de cuidar. Aqueles que fazem isso facilitam uma cultura psicologicamente segura, diversa e criativa que ajuda a atrair e reter talentos, criando mais valor para ambas as partes. Essa é uma tendência também observada por Tim Sellick, diretor de clientes da King’s Business School, que chama atenção para o aumento da demanda de programas que abordam as fragilidades psicológicas entre empregadores e funcionários.

David Weston, executivo-chefe do Teacher Development Trust e principal autor de um novo documento de trabalho sobre o assunto, sugere que “embora algumas pessoas não vejam isso, existe, de fato, uma associação robusta entre os resultados e a criação de uma comunidade na força de trabalho. Não se trata apenas de bem-estar, trata-se de resultados financeiros e todos os líderes precisam levar isso a sério”. A perspectiva de Weston é compartilhada por Dan Morrow, CEO da Dartmoor Multi Academy Trust. Morrow sugere que agora é o momento certo para colocar em prática a sensibilidade da compaixão. “Talvez tenhamos mudado como líderes neste momento – então devemos nos concentrar em nossos princípios fundamentais e reinvestir esses sentimentos não apenas nas atitudes do nosso grupo, mas nas normas e comportamentos que se manifestam a partir dela, levando esperança para os nossos membros e voltando a obter resultados robustos e tangíveis.”

VEJA TAMBÉM: 3 lições inesperadas de liderança aprendidas na pandemia

Claire Cuthbert, diretora-executiva da Evolve Trust, concorda. “Para os líderes seniores, liderar, motivar e apoiar uma equipe pode ser um desafio nos melhores momentos”, diz ela. “No entanto, agora estamos vendo o impacto da Covid que exasperou esse desafio. Os educadores agora estão lidando com uma ampla gama de questões e sentimentos, como medo, ansiedade e vulnerabilidade. Como líderes, agora precisamos ser mais empáticos do que antes e priorizar o bem-estar emocional de nossa equipe e, especificamente, a adoção de comportamentos com foco no bem-estar”.

Getty Images
Getty Images

A compaixão apresenta uma oportunidade única de mitigar o sofrimento no ambiente de trabalho

Um setor que, historicamente, avançou na construção de culturas empresariais voltadas ao bem-estar e ao cuidado com os outros é o de hospitalidade. Os negócios que podem adotar os mesmos padrões de qualidade entre os funcionários e os clientes conseguem ganhos em atratividade e desempenho. Isso é evidenciado no crescente recrutamento de especialistas desta área em outros setores. Instalada na Suíça, a Ecole hôtelière de Lausanne (EHL), tradicionalmente conhecida como a melhor universidade de hospitalidade em todo o mundo, foi nomeada uma das cinco principais escolas de negócios do país de acordo com as classificações QS, sugerindo que a educação empresarial está se voltando para os princípios do acolhimento no serviço – uma noção apoiada pelo especialista em liderança de serviço e autor da editora Bloomsbury, David Cobb. Isso é ainda mais evidenciado pelo fato de que outras indústrias normalmente recrutam graduados da EHL por causa de seu serviço e experiência do cliente: ex-alunos ocupam cargos de gestão e liderança em instituições financeiras, marcas de luxo, viagens, automóveis e muitas outras empresas de serviços.

O CEO do Grupo EHL, Michel Rochat, nomeou 2021 como o Ano da Benevolência, estabelecendo a expectativa de cuidar dos outros, da comunidade em geral e do meio ambiente, fornecendo assim um exemplo para alunos, ex-alunos e parceiros da indústria. “Os líderes devem ser modelos, inspirar e treinar. Os alunos de hoje precisarão incorporar esses modelos de comando gentis e humanitários no local de trabalho de amanhã. Nós pretendemos ser o exemplo.” Isso é alcançado por meio de uma filosofia de ensino declarada de savoir-faire (“saber fazer”, em tradução livre). Como tal, os currículos são baseados na crença de que os líderes exigem um equilíbrio saudável de QI (quociente de inteligência) e QE (quociente emocional) para ter sucesso, o que significa que motivação, empatia, criatividade, trabalho em equipe, flexibilidade e consciência cultural estão integrados às exigências acadêmicas.

SAIBA MAIS: 6 “Soft Skills” mais requisitadas pelo mercado

“Às vezes me preocupo quando as escolas de negócios abordam tópicos como QE”, comenta Steve Ludlow, especialista em desenvolvimento de liderança. “Muitas vezes isso é percebido pelos alunos como ‘aqui está outra ferramenta para ajudá-lo a ser um líder melhor’. Em última análise, você não pode ensinar compaixão – ela só pode vir de experiências de aprendizagem que desafiam a mentalidade e envolvem emoções.”

Ele tem razão. E, posteriormente, as experiências de aprendizagem dentro e fora da sala de aula da EHL são imersivas, com uma abordagem holística da experiência do aluno. Como resultado, a pedagogia cultiva ativamente um grupo de virtudes para o desenvolvimento de líderes, o que significa que o ensino envolve mais do que a transferência de conhecimento. Abrange comportamento no campus, interação entre alunos, funcionários, corpo docente, diversidade entre a comunidade, participação em ações e comitês de sustentabilidade. Aqui estão algumas maneiras pelas quais eles estão fazendo isso, que você pode imitar.

  • Aliviar situações de alto estresse: as provas e o processo de seleção dos alunos foram identificados como um período de potencial ansiedade para os candidatos. Esses momentos foram substituídos por dias de motivação centrados no bem-estar, com salas de relaxamento e boas vibrações, playlists de músicas relaxantes, séries de podcast, dicas de videoconferência e etiqueta empresarial, chats, jogos e painéis virtuais para exercícios de equipe.
  • Implementar uma cultura de serviço: os alunos do primeiro ano concluem o treinamento prático em todos os departamentos operacionais do campus, permitindo-lhes desenvolver uma comportamento padrão com clientes reais.
  • Oferecer aos alunos e funcionários oportunidades de se envolverem em ações sustentáveis ​​e solidárias: os funcionários podem, por exemplo, trabalhar como voluntários até 8 horas durante as iniciativas do Mês da Solidariedade da EHL.
  • Implementar treinamento para melhorar o bem-estar geral, como workshops de atenção plena e treinamento de prevenção de assédio para funcionários e alunos.

LEIA TAMBÉM: Como usar a inteligência emocional para ser um líder melhor

A abordagem da EHL é coincidente com a da Universidade de Cambridge, a vanguarda da excelência de ensino em todo o mundo. O vice-diretor do Cambridge Judge MBA, Thomas Roulet, conclui: “Com a pandemia, percebemos ainda mais a importância da empatia para que os líderes e gerentes entendam as idiossincrasias contextuais enfrentadas pelos funcionários, o que acaba afetando sua cabeça, saúde e comportamento no trabalho.” Como tal, Roulet integrou essas questões ao ensino no Judge, o que, em particular, é tão crucial para os MBAs. Da mesma forma que fez Sunitha Narendran, diretora da Escola de Negócios da Universidade de Roehampton, que forma graduados muito procurados por empregadores nos setores público e privado por causa de sua benevolência.

Consequentemente, portanto, uma força de trabalho mais informada e orientada por valores, com novas visões sobre o equilíbrio entre vida pessoal e profissional, nunca esteve tão aberta a mudanças. Com isso, no entanto, chega aí uma geração promissora de consumidores e funcionários – nascidos em uma era de personalização e capacitados. Por exemplo, a DARE, consultoria de transformação global, tem visto um aumento na consciência dos clientes sobre a importância do propósito, da compaixão e da conexão.

Não se engane: as armadilhas para as organizações nunca foram tão profundas, mas as oportunidades de atrair talentos apaixonados e ser uma força para o bem – além dos produtos vendidos e serviços prestados – são abundantes: é a diferença que faz a diferença.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).