Futuro do trabalho: seu treinamento será um game

Para garantir o aprendizado e o engajamento, empresas investem em gamificação também durante recrutamento e onboarding .

Martina Colafemina
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Os games invadiram o mundo corporativo para facilitar o aprendizado. A gamificação vem contribuindo também para a diversidade nos processos seletivos

Acessibilidade


Com um mundo cheio de estímulos visuais, os modelos de aprendizagem tiveram que ser repensados para prender a atenção dos alunos. E isso não muda se estamos falando de estudantes do ensino médio em um colégio ou funcionários de uma empresa. 

Como nas escolas, que adotaram aplicativos e plataformas para ensinar, as empresas vêm  trazendo a gamificação para seus escritórios e treinamentos. “O mundo ao nosso redor tem muita informação, o que dificulta prender a atenção de uma pessoa”, diz Nuno Bouça, cofundador da XL Consultoria, responsável por desenvolver plataformas gamificadas para empresas como Heineken, Reckitt e Nestlé.

Nos três cases, os clientes desejavam soluções para integrar departamentos. Foram construídas plataformas específicas para cada um, mas na hora apresentar aos colaboradores o funcionamento de áreas diferentes, foi a hora de transformar a reunião em um grande game. Em um dos casos, foi feita uma réplica 3D de um escritório, em que o avatar de um colaborador passeava pelas áreas enquanto se falava de cada função. O diretor comercial, por exemplo, estava em uma cadeira no centro do escritório. “Para concluir um treinamento, era necessário ir até a sala de treinamento virtual, em que eram apresentados exemplos de decisão de gestão”, diz Bouça.

Jogos invadem o RH

Como em um jogo, o usuário que participa desses treinamentos se torna protagonista e se envolve com o conteúdo sem que isso se torne maçante – e é aí que acontece o aprendizado. A estratégia é mais eficaz para os profissionais que atuam longe do escritório e não estão na frente do computador o tempo todo. “Boa parte do público está no atendimento no varejo, na indústria, no chão de fábrica. Treinar essas pessoas que não têm acesso a um computador não era tão simples antes”, diz Rômulo Martins, co-fundador do Niduu, um aplicativo que mistura treinamentos com games para empresas.

Para acessar os conteúdos, o funcionário tem que baixar o aplicativo  no celular e usar o código da empresa. Suvinil, iFood, Hyundai e Unilever estão entre as companhias que contrataram essa plataforma para que suas equipes utilizem.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Leia mais: Tendências do RH: diversidade, dados e experiência são mais relevantes na contratação

Na Gerdau, o primeiro treinamento, que aconteceu em 2017, envolveu 5 mil funcionários em 10 países. Mas de lá para cá seu uso foi ampliado e se tornou mais sofisrticado. Na época, os funcionários usaram óculos de realidade virtual para experimentar situações e aprender mais sobre segurança do trabalho. “Era algo muito novo e gerou bastante curiosidade”, diz Flávia Nardon, gerente global de cultura e desenvolvimento humano. A experiência levou a empresa a redesenhar processos para incluir a gamificação e a realidade virtual em eventos e no onboarding de funcionários.

Em seu segundo dia de empresa, todos os novos contratados jogam com outros funcionários e passam por caminhos que se relacionam aos 10 princípios culturais da Gerdau. “É uma maneira lúdica de viver a nossa cultura em um momento em que eles estão recebendo uma enxurrada de conhecimento”, diz Nardon.

Games para recrutamento e seleção

Os 600 estagiários que entram anualmente na siderúrgica usam uma outra plataforma gamificada. Eles ganham pontos conforme passam pelos estágios e conteúdos propostos, que envolvem desde habilidades emocionais até o funcionamento dos negócios da empresa.

Os jogos entram em cena também na segunda fase do programa, desenvolvida para a contratação e promoção de líderes. Em uma conversa pelo WhatsApp, eles têm que prestar consultoria para uma empresa fictícia. Durante a troca de mensagens, aparecem os desafios em que os candidatos têm que fazer escolhas.

Não há respostas certas ou erradas. A partir delas, os recrutadores da Gerdau traçam um perfil do candidato. “O que buscamos avaliar é se eles têm o perfil de liderança que procuramos”, diz Nardon. 

A gamificação na Gerdau foi implantada depois que o time de recrutamento ouviu diversas vezes dos novos colaboradores que era difícil assimilar tanta informação sobre a produtora de aço de uma só vez. “Depois que começamos a usar a gamificação, os colaboradores nos relatam que se sentem mais engajados em aprender e que a experiência faz com que eles se lembrem melhor dos conteúdos.”, diz a executiva de RH. 

 Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: