3 previsões de como serão as redes sociais sem curtidas

Getty Images
A tendência do fim dos “like” pode ser vista como algo positivo para a saúde mental

Resumo:

  • O Instagram tirou os “likes” das fotos publicadas na plataforma em maio deste ano para prevenir a saúde mental de seus usuários;
  • Se outras redes sociais adotarem a prática, as pessoas podem se habituar e eliminar a competição por curtidas;
  • Posts de celebridades, CEOs e casamentos terão sua relevância alterada no futuro das mídias.

Desde maio, o Instagram tirou as curtidas de sua plataforma em diversos países pelo mundo. Agora, visualização só é disponível para quem publicou as fotos. Na época, a justificativa foi a de que a medida visava melhorar a saúde mental dos usuários e eliminar a competição sobre quem tem mais likes nas postagens.

Claro que há uma pegadinha. A rede social ainda usa os mesmos algoritmos para definir o que é exibido no feed, sem mostrar as publicações em ordem cronológica. Assim, o destaque dado ao que é tendência no momento e o que vale a pena ser notado. O que é algo bom.

LEIA MAIS: Proibição de filtros do Instagram não deve reduzir procura por cirurgias estéticas

A Geração Z, mais do que outras, é inundada com conteúdo potencialmente interessante e vive dessa maneira desde sempre.

Veja, a seguir, o que esperar do futuro das redes:

  • Saúde mental
    Como você pode suspeitar, sobrecarga de estresse e depressão é uma das consequências possíveis do uso indiscriminado das redes sociais. A síndrome de FOMO (do inglês “fear of missing out”, medo de perder algo) se transformou no estresse de estar por dentro de tudo. O simples “curtir” é o gatilho para isso. Perceber que celebrar o número de seguidores e curtidas é uma perda de tempo é algo libertador.

  • Algum dia, essa preocupação irá sumir
    A tendência do Instagram é notável, porque é um reconhecimento de que a cultura do “like” está saindo do controle. Nenhum de nós pode acompanhar as Kardashians ou qualquer outra pessoa. Há muitas curtidas, muitas publicações populares, muitas coisas competindo por atenção. Ao tirar as curtidas, a rede social assume para alguns usuários pelo mundo que o pesadelo do concurso de popularidade pode finalmente chegar ao fim.

  • Como será?
    Para muitos de nós, isso significa que finalmente podemos relaxar. Uma foto de bebê, uma propaganda de produto, um anúncio de um CEO famoso ou um post de noivado se tornaram apenas momentos passando despercebidos pelos nossos feeds, e tudo bem. Eu sempre gosto quando alguém me envia uma mensagem e pergunta se vi uma postagem de um amigo ou colega, e temos uma boa discussão sobre isso. Não preciso necessariamente dar um “like” para ver. Quando as curtidas finalmente morrerem, todos ficaremos tranquilos. A guerra vai acabar e todos nós vencemos.

Saúde mental
Como você pode suspeitar, sobrecarga de estresse e depressão é uma das consequências possíveis do uso indiscriminado das redes sociais. A síndrome de FOMO (do inglês “fear of missing out”, medo de perder algo) se transformou no estresse de estar por dentro de tudo. O simples “curtir” é o gatilho para isso. Perceber que celebrar o número de seguidores e curtidas é uma perda de tempo é algo libertador.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).