A sociedade fora da equação

gettyimages-ChrisRyan
gettyimages-ChrisRyan

Se as leis são feitas para proteger a sociedade, qual deveria ser a reação do STF quando isso não ocorre?

Passado  o impacto  inicial da decisão do Supremo Tribunal Federal,  de considerar inconstitucional a prisão após a condenação em segunda  instância, fico com a impressão de que o aspecto principal da votação não prevaleceu na conclusão dos magistrados. Os argumentos técnicos  esquadrinharam leis, jurisprudências e a Constituição, mas não deram o devido peso à sociedade. Membros da Corte já disseram que é obrigação  do Supremo atuar de forma contramajoritária, se preciso for, para resguardar os princípios abrigados pelo texto constitucional. Para os juízes, portanto, a voz das ruas nem sempre tem razão.

Trata-se  de uma posição  difícil de sustentar.  Se as leis são feitas  para proteger a sociedade, qual deveria ser a reação do STF quando isso não ocorre? Nesse caso, os juízes preferiram se ater ao pé da letra, em vez de privilegiar o objetivo maior, que é o de dar guarida aos legítimos anseios da população.

O que estava no centro do julgamento era um  artigo do Código de Processo Penal, que  diz: “Ninguém poderá ser preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada  da autoridade judiciária competente, em decorrência de  sentença condenatória transitada em julgado ou, no curso  da investigação ou do processo, em virtude de prisão temporária  ou preventiva”. A expressão-chave é “transitada em julgado”, que significa que o  condenado não pode ser preso até que seu caso seja decidido em instância superior, após esgotadas todas as possibilidades de defesa.

Ora,  num país em que a Justiça é notória por tardar,  tal ressalva equivale, na prática, a um salvo-conduto  para delinquir. Com manobras protelatórias  arquitetadas por advogados regiamente remunerados, será novamente possível, como acontecia antes do entendimento  anterior do próprio Supremo, evitar indefinidamente a cadeia.

Adentramos  um terreno pantanoso  quando observamos passivamente a desvinculação entre o que a sociedade quer e o que a Justiça oferece.  Em um tempo de informação disponível online, as pessoas olham os exemplos do exterior (Estados Unidos e Europa) – na grande maioria dos países desenvolvidos, a Justiça é célere para desestimular o crime. Aqui, não. No  Brasil, infelizmente, voltou a prevalecer a tese de que se deve levar às últimas consequências a  presunção de inocência. Esse garantismo exacerbado, no  entanto, é um atestado de impunidade.

“No Brasil, infelizmente, voltou a prevalecer a tese de que se deve levar às últimas consequências a presunção de inocência”

O  sistema  judiciário  deveria prestigiar  todas as suas instâncias.  Na segunda instância, a decisão  deriva não mais da análise de um único  magistrado, mas de um órgão colegiado. Muitas  vezes, a condenação é consensual, como aconteceu no caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. E, mesmo assim, o condenado vai recorrer em liberdade. Até quando?

Há  no ar  um certo  sentimento de  frustração, que compartilho, com a decisão do Supremo.  A sociedade quer se sentir protegida de marginais de toda sorte, e o julgamento deste mês é um retrocesso. Espero que o Congresso faça  o que o Supremo não fez. Há importantes iniciativas para reverter a decisão do STF, uma vez que o conceito de trânsito em julgado, por não  ser cláusula pétrea da Constituição, pode ser derrubado em projetos de emenda constitucional que correm na Câmara e no Senado. Fazem bem esses parlamentares: ouvir a voz das ruas não é, como querem alguns, populismo jurídico.

No fim de semana após a decisão do STF, as pessoas voltaram às ruas. “Supremo é o povo”, lia-se em um cartaz. É um aviso a que se deve dar  atenção. As instituições não podem justificar, com filigranas jurídicas ou interesses escusos, a criação de um abismo intransponível  entre elas e o povo. O Supremo frustrou a nação. Aguardemos, com esperança, o posicionamento do Congresso Nacional.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).