Bolsas mundiais seguem em recuperação

REUTERS
REUTERS

Mercados monitoram o coronavírus, mas focam nas próximas decisões de política monetária

Os mercados mundiais continuam hoje (29) no ritmo da recuperação das fortes perdas de segunda-feira, embora as notícias sobre a propagação do coronavírus não sejam as melhores.

As bolsas asiáticas fecharam positivas, com exceção do índice Hang Seng (Hong Kong), que caiu 2,82% aos 27.160 pontos. O Nikkei (Japão) subiu 0,71% aos 23.379 pontos e o Kospi (Coreia) avançou 0,39% aos 2.185 pontos.

LEIA TAMBÉM: Ibovespa fecha com alta em pregão de recuperação

Na Europa, as bolsas apresentam altas moderadas. Nos Estados Unidos, os índices futuros também seguem com valorização.

O coronavírus já matou 132 pessoas e contaminou cerca de 6 mil na China. O governo norte-americano já cogita suspender os voos dos EUA para o país asiático.

Novos casos de contágio são contabilizados em diferentes continentes e, segundo a CNBC, a indústria farmacêutica prevê, pelo menos, 12 meses para a criação de uma vacina contra o coronavírus.

Enquanto os investidores monitoram estas notícias, também aguardam as decisões de política monetária nos EUA e aqui no Brasil.

É aguardado para hoje, às 16h, horário de Brasília, o anúncio sobre os Fed Funds (juros básicos), pelo FOMC, sigla em inglês para o Comitê Federal de Mercado Aberto do Federal Reserve, o banco central norte-americano. A expectativa é de manutenção da taxa entre 1,5% e 1,75%.

Aqui, o mercado está dividido em suas estimativas para a taxa básica de juros a ser decidida pelo Copom, o Comitê de Política Monetária, do Banco Central na próxima semana. Parte dos economistas e analistas acredita num corte de 0,25 ponto percentual, mas há quem espere uma manutenção da Taxa Selic em 4,5% ao ano.

Nesta temporada de balanços corporativos, os investidores vão acompanhar hoje o resultado do Santander no quarto trimestre de 2019.

E entre os indicadores previstos na agenda econômica desta quarta-feira, Pedidos de hipotecas e Estoques no atacado nos EUA.

No Brasil, haverá a divulgação de Taxa de inadimplência, Empréstimos, além de Resultados fiscais pelo Tesouro Nacional.

****

Luciene Miranda é jornalista especializada em Economia, Finanças e Negócios com coberturas independentes na B3, NYSE, Nasdaq e CBOT

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).