Johnson propõe financiamento coletivo para que o Big Ben anuncie o Brexit

Câmara dos Comuns rejeitou uma proposta para que o sino toque porque seria caro demais.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
ReutersTobyMelville
ReutersTobyMelville

O sino de 13,7 toneladas está praticamente em silêncio desde 2017 devido a uma reforma na Torre Elizabeth

Acessibilidade


O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, propôs hoje (14) uma campanha de financiamento coletivo para que o sino do Big Ben, instalado na torre do relógio do Parlamento, ressoe quando o país se separar da União Europeia.

O sino de 13,7 toneladas está praticamente em silêncio desde 2017 devido a uma reforma na Torre Elizabeth, só tocando para acontecimentos importantes, como as comemorações da véspera do Ano Novo.

O premiê falou depois que uma comissão da Câmara dos Comuns rejeitou uma proposta para o sino anunciar o Brexit porque seria caro demais.

VEJA TAMBÉM: 10 sugestões para Harry e Meghan conquistarem a independência financeira

Johnson disse que custaria o equivalente a US$ 648.450 permitir que o Big Ben toque às 23h do dia 31 de janeiro, o momento em que Brexit deve entrar em vigor oficialmente, mas disse que as pessoas poderiam fazer doações.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Estamos elaborando um plano para que as pessoas possam dar um trocado por um toque do Big Ben”, disse Johnson em uma entrevista à rede “BBC”.

“Como todos sabem, o Big Ben está sendo reformado, parece que eles tiraram o badalo. Então precisamos reinstalar o badalo para tocar o Big Ben na noite do Brexit. E isso é caro”.

A sugestão do premiê surgiu depois que um grupo de parlamentares pró-Brexit liderou uma campanha para anunciar a desfiliação britânica da UE, após meio século de integração, com um dobrar dos sinos.

Mas uma tentativa de sancionar uma lei para o Big Ben anunciar o Brexit fracassou na semana passada.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: