Dólar amplia queda ante real com melhor apetite por risco no exterior

Sinais de impacto reduzido do coronavírus sobre a economia da China influencia moeda.

Forbes Daily, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
iStock
iStock

Às 10:11, o dólar recuava 0,22%, a R$ 4,3113 na venda

Acessibilidade


O dólar ampliava a queda contra o real na manhã de hoje (11), com os agentes do mercado aproveitando o maior apetite por risco no exterior em meio a sinais de impacto reduzido do coronavírus sobre a economia da China.

Esta semana, fábricas e empresas chinesas retomavam as atividades depois da pausa para o feriado do Ano Novo Lunar, que foi prolongado pelas autoridades numa tentativa de limitar a disseminação da nova doença que levantou temores sobre uma pandemia global.

LEIA MAIS: Dólar fecha colado em máximas recordes ante real

“O que está contribuindo para a valorização do real é a notícia de que o governo chinês pediu para as empresas retomarem a produção, o que reduz a preocupação com o impacto econômico da doença sobre a economia chinesa”, explicou Luciano Rostagno, estrategista-chefe do banco Mizuho.

Às 10:11, o dólar recuava 0,22%, a R$ 4,3113 na venda, enquanto o dólar futuro operava em queda de 0,37%, a R$ 4,313, acompanhando o desempenho da moeda norte-americana no exterior em meio à melhora do sentimento.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Rand sul-africano, peso mexicano, dólar australiano e iuan chinês, consideradas divisas arriscadas, registravam ganhos contra o dólar neste pregão, enquanto o índice que mede a divisa dos EUA contra uma cesta de rivais rondava a estabilidade.

No cenário doméstico, os mercados estavam atentos à ata da reunião de política monetária do Copom, divulgada hoje, em que o Banco Central indicou uma pausa nos cortes da Selic a mínimas históricas.

“Dentre os pontos de maior relevância, o documento manteve a sinalização de interrupção do ciclo de afrouxamento monetário, tendo repetido que o atual estágio do ciclo econômico recomenda cautela na condução da política monetária”, disse em nota a corretora Commcor.

A redução sucessiva da Selic diminuiu o diferencial de juros entre Brasil e outros pares emergentes, o que pode afetar a atratividade da moeda como ativo para investidores estrangeiros. Alguns analistas apontam esse fator como um dos motivos para a valorização recente do dólar a patamares recordes entre R$ 4,20 e R$ 4,30.

VEJA TAMBÉM: Dólar tem leve queda após recorde mas segue acima de R$ 4,30

Hoje, o Banco Central ofertará até 13 mil contratos de swap cambial, com vencimento em agosto, outubro e dezembro de 2020, para rolagem de contratos já existentes.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: