Dólar sobe ante real de olho em dia de liquidez reduzida por feriado nos EUA

iStock
Às 10:10, o dólar avançava 0,24%, a R$ 4,3117 na venda

O dólar era negociado em alta contra o real hoje (17), chegando a superar R$ 4,31 em dia de volumes reduzidos devido ao feriado do Dia dos Presidentes nos Estados Unidos.

Às 10:10, o dólar avançava 0,24%, a R$ 4,3117 na venda. Na máxima do pregão, a moeda norte-americana tocou R$ 4,3180. O dólar futuro registrava alta de 0,23%, a R$ 4,310.

LEIA MAIS: Após recordes, dólar tem 1ª queda semanal do ano

“O dólar está voltando a operar na faixa entre R$ 4,31 e R$ 4,32, porque hoje tem feriado nos Estados Unidos”, disse Alvaro Bandeira, economista-chefe do banco digital Modalmais. “Os mercados perdem muita liquidez” sem participação dos investidores norte-americanos, completou.

No exterior, os volumes reduzidos deixavam o dólar estável contra uma cesta de moedas e algumas das principais divisas arriscadas, como a lira turca e dólar australiano. O sentimento global era mais positivo, com os operadores comemorando novas medidas de estímulo do banco central chinês.

O BC da China cortou a taxa de juros sobre seus empréstimos de médio prazo hoje, à medida que as autoridades buscam aliviar a pressão sobre as empresas decorrente do surto de coronavírus.

“Essa medida teve um impacto positivo no exterior por reduzir a probabilidade de um PIB menor na China, minimizando o impacto econômico do vírus, mas no Brasil o efeito foi limitado e o que ‘pega’ é a redução de liquidez pelo feriado nos EUA”, completou Bandeira.

O Banco Central ofertará neste pregão até 13 mil contratos de swap tradicional com vencimento em agosto, outubro e dezembro de 2020.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).