Engenheiros italianos fazem peças de respiradores com impressão 3D para ajudar pacientes com Covid-19

Reprodução/Forbes
Christian Fracassi, CEO e fundador da Isinnova e Alessandro Romaioli, engenheiro da startup

Christian Fracassi, fundador e CEO da Isinnova, uma startup italiana de engenharia, recebeu o pedido de ajuda na sexta-feira passada. O hospital de Chiari, na região de Brescia, no norte da Itália, onde o surto do novo coronavírus é mais forte, precisava urgententemente de válvulas para seus respiradores, a fim de manter os pacientes que precisavam de oxigênio vivos. O fabricante não conseguia fornecê-los com rapidez suficiente, e o hospital estava desesperado.

Fracassi imediatamente começou a falar com seus colegas para desenvolver engenharia reversa de uma versão impressa em 3D da peça oficial. Chamada válvula venturi, ela se conecta à máscara facial do paciente para fornecer oxigênio a uma concentração fixa. As válvulas precisam ser substituídas para cada paciente.

VEJA MAIS: Elon Musk diz que a Tesla está disposta a fabricar ventiladores hospitalares

No sábado à noite, Fracassi tinha um protótipo e, no dia seguinte, levou-o ao hospital de Chiari para testes. “Eles nos disseram: ‘é bom. Funciona. Precisamos de 100’”, diz Fracassi, que tem 36 anos e doutorado em na ciência dos materiais com foco em polímeros. “Imprimimos 100 deles no domingo e entregamos todas as peças ao hospital. Eles estão funcionando muito bem.”

À medida que o coronavírus se espalha globalmente, a escassez de suprimentos médicos se tornou um grande problema. Os fabricantes simplesmente não conseguem aumentar a produção de dispositivos médicos que salvam vidas com rapidez suficiente. A maior dificuldade ocorre com os ventiladores, mas as peças do respirador, como as da Itália, e até as simples zaragatoas nasais para testes são escassas. Enquanto isso, a tecnologia de impressão 3D, que permite o design digital de peças e a “impressão” delas de uma máquina que as cria camada por camada, é ideal para a fabricação de emergência, porque é rápida, barata e pode ser feita sem grandes fábricas.

Mas isso levanta questões, desde a qualidade dos produtos até as patentes detidas pelos fabricantes do dispositivo original. Normalmente, novas peças impressas em 3D precisam ser certificadas. Na Itália, diz Fracassi, as regras de emergência durante a pandemia de coronavírus permitiram que esse requisito fosse dispensado. “Eles disseram: ‘Sabemos que o produto que você trará nunca será o mesmo'”, diz Alessandro Romaioli, engenheiro da Isinnova, que projetou as válvulas impressas em 3D. A Isinnova ofereceu ao hospital em Chiari as válvulas gratuitamente; Fracassi diz que o custo para imprimi-las é de US$ 2 a US$ 3 cada uma. A Isinnova agora tem capacidade para produzir cerca de 100 peças por dia e está conversando com um segundo hospital na Itália sobre o envio das válvulas para lá também.

No entanto, questões legais e médicas impediram Fracassi de distribuir as peças mais amplamente, apesar de receber centenas de pedidos de válvulas impressas em 3D. Existem complexidades, porque os hospitais usam uma ampla variedade de respiradores, cada um com especificações técnicas ligeiramente diferentes, o que exigiria válvulas ligeiramente diferentes. Além disso, há a ameaça de um potencial litígio sobre patentes, conforme levantado pela Techdirt. “Não sabemos se algo está patenteado. Só esperamos que a fábrica possa fechar os olhos porque não pode produzi-la a tempo”, diz Fracassi. “É apenas para emergências.”

Ainda assim, diante da pandemia de Covid-19, a impressão 3D oferece pelo menos uma solução inteligente. Davide Sher, analista de impressão 3D que escreveu a história original sobre Isinnova para a publicação comercial “3D Printing Media Network”, criou posteriormente um fórum de emergência online para ajudar hospitais, empresas de impressão 3D e inventores a compartilhar ideias na luta contra o novo vírus. Como ele escreve lá: “Embora existam questões de direitos autorais e questões médicas que precisam ser levadas em consideração na impressão 3D de qualquer produto médico, e especialmente uma válvula venturi, este caso mostrou que uma situação de morte poderia justificar o uso de uma réplica imprimível em 3D.”

Fracassi diz que Isinnova agora está trabalhando para projetar outros produtos médicos que os hospitais precisam durante a pandemia de coronavírus. O primeiro é uma máscara. A startup criou um protótipo no início desta semana e o enviou ao hospital para testes, diz ele. “Estamos aguardando uma resposta e, se funcionar, estamos prontos”, diz Fracassi. “Então, todo hospital poderá fazer suas próprias máscaras.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).