Trump restringe viagens da Europa para os EUA como medida de combate ao coronavírus

Erin Scott/Reuters
Erin Scott/Reuters

Trump determinou que as viagens da Europa para os Estados Unidos sejam restringidas por 30 dias

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, impôs restrições abrangentes a viagens da Europa para o país, obrigando passageiros a remarcar voos e levando os mercados globais a recuaram novamente hoje (12), com impacto sobre companhias aéreas que já enfrentam dificuldades.

Trump determinou que as viagens da Europa para os Estados Unidos sejam restringidas por 30 dias, respondendo à crescente pressão para tomar medidas contra um surto de coronavírus que se espalha rapidamente, afetando a vida cotidiana em praticamente todo país.

LEIA MAIS: OMS declara coronavírus como pandemia

“Estamos reunindo todo o poder do governo federal e do setor privado para proteger o povo americano”, disse Trump em um discurso televisionado no horário nobre feito no Salão Oval da Casa Branca, ontem (11).

“Este é o esforço mais agressivo e abrangente para enfrentar um vírus estrangeiro na história moderna”.

A restrição de viagens, que entra em vigor à meia-noite de amanhã (13), não se aplica à Grã-Bretanha e a norte-americanos que passarem por “exames apropriados”, disse Trump.

Depois de provocar confusão ao sugerir que o comércio com a Europa também seria suspenso, Trump esclareceu que “o comércio não será afetado de forma alguma”.

“A restrição impede pessoas, não produtos”, disse ele no Twitter logo após seu discurso.

As restrições derrubaram mercados financeiros, com os futuros do índice Euro Stoxx 50 afundando 8,3% para os níveis mais baixos desde meados de 2016. O mercado futuro de ações dos EUA caiu mais de 4%.

VEJA TAMBÉM: 7 atividades que o coronavírus pode mudar para sempre no ambiente de trabalho

Trump disse que seu governo está em contato frequente com aliados dos EUA sobre a restrição, mas autoridades da União Europeia não foram notificadas sobre a medida com antecedência, disse um diplomata.

“Não houve alerta, nem coordenação, como afirmou o presidente”, disse o diplomata, que não estava autorizado a falar publicamente.

As restrições aumentarão a pressão sobre companhias aéreas que já estão sofrendo com a pandemia de coronavírus, atingindo empresas europeias com mais força, disseram analistas.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).