Governo federal cria grupo para coordenar recuperação econômica

Plano final de ação do grupo deverá ser apresentado em 90 dias.

Redação
Compartilhe esta publicação:
GettyImages/ Andressa Anholete
GettyImages/ Andressa Anholete

O grupo de trabalho interministerial deverá apresentar relatórios ao ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto

Acessibilidade


O governo federal criou um grupo de trabalho interministerial para pensar ações estruturantes e estratégicas para recuperação, crescimento e desenvolvimento do país em resposta aos impactos relacionados ao novo coronavírus. O grupo funcionará no âmbito do Comitê de Crise para Supervisão e Monitoramento da Covid-19 e será coordenado pela Casa Civil da Presidência.

A criação do grupo foi formalizada em resolução publicada no “Diário Oficial da União” (DOU) de hoje (14).

LEIA MAIS: Compras online crescem 18,5%; produtos de Páscoa têm alta de 322%

O plano final de ação do grupo deve ser apresentado em até 90 dias e inclui propostas de medidas normativas e legislativas, articulação com Estados, municípios e empresas públicas e a proposição de diretrizes para a destinação de emendas parlamentares por meio de articulação com o Congresso Nacional. O grupo deverá apresentar ao ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto, relatórios parciais de suas atividades a cada 15 dias.

Além da Casa Civil, integram o grupo os ministérios das Relações Exteriores, Defesa, Economia, Infraestrutura, Agricultura, Minas e Energia, Ciência e Tecnologia, Meio Ambiente, Turismo e Desenvolvimento Regional, e ainda a Controladoria-Geral da União, Secretaria-Geral da Presidência, Secretaria de Governo da Presidência, Gabinete de Segurança Institucional da Presidência e Advocacia-Geral da União.(Com Agência Estado)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: