Mais de 4 mil empresas brasileiras aderem ao Movimento #NãoDemita

Manifesto, que começou com 40 empresas, compromete-se a preservar milhões de empregos pelo Brasil.

Mariana Labbate
Compartilhe esta publicação:
getty images
getty images

O #NãoDemita ajudará a preservar entre 1,5 milhão e 2 milhões de empregos

Acessibilidade


O número de empresas brasileiras que aderiram ao Movimento #NãoDemita já passa de 4.000. Idealizado por um conjunto de mais de 40 grandes companhias – entre elas, Magazine Luiza e XP Investimentos -, o objetivo é preservar o emprego de seus funcionários até, pelo menos, 31 de maio.

Em uma pesquisa realizada na primeira semana de abril, a empresa de consultoria Fox Human Capital revelou que cerca de 38,7% das grandes companhias instaladas no país não pretendem demitir seus funcionários por conta da crise causada pela pandemia. Outras 16,2% afirmaram que vão reduzir seus quadros, enquanto 23,7% ainda não tomaram uma decisão final sobre o assunto. Mais de 200 grandes empresas foram consultadas para a realização do levantamento.

LEIA MAIS: 13 iniciativas de empresas para ajudar pessoas em situação de vulnerabilidade durante a Covid-19

Os líderes responsáveis pela campanha #NãoDemita reforçam que o pedido é feito de empresário para empresário, como um jeito de manter a estabilidade econômica da sociedade.

As empresas que aderiram ao movimento até agora se comprometeram a manter milhões de empregos. Negócios maiores, como o Bradesco, por exemplo, são responsáveis por empregar milhares de pessoas. “É importante preservar o bem-estar e a proteção dos mais de 7 mil funcionários e de seus dependentes e familiares, considerando a manutenção dos empregos e rendas diretas e indiretas”, disse o banco em comunicado.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

No total, o movimento #NãoDemita ajudará a manter entre 1,5 milhão e 2 milhões de empregos.

Entre outras empresas que aderiram ao movimento estão Porto Seguro, Natura e Itaú Unibanco. Algumas companhias internacionais que atuam por aqui também se comprometeram a não realizar demissões em suas operações brasileiras, como Microsoft, Volkswagen e Santander.

Mas, de acordo com o idealizador do movimento Daniel Castanho, muitas empresas participantes são de médio e pequeno portes. “Metade das empresas não são grandes. Boa parte delas tem cerca de 10 funcionários.”

Castanho é Presidente do Conselho Administrativo do grupo de instituições de ensino Ânima Educação, e escreveu o manifesto a partir da forma como ele gera seus próprios negócios. “É preciso cuidar das pessoas que constroem sua empresa todo dia junto com você”, diz. “É claro que, no caso de algumas empresas, não há saída, mas naquelas que podem, é importante lembrar que a responsabilidade dos diretores e dirigentes é também com aqueles com quem eles trabalham.”

O executivo contou que teve uma resposta extremamente positiva das empresas, que percebem seu compromisso não só com seus funcionários, mas também com a economia como um todo, que precisa continuar girando.

VEJA TAMBÉM: Como as empresas privadas estão socorrendo o setor de saúde no Brasil

O idealizador da iniciativa também apontou os diversos benefícios que surgem como consequência do #NãoDemita, entre eles, o senso de confiança desenvolvido entre os funcionários em relação à empresa e a transparência com o público, que toma decisões baseadas em medidas como essa. A Ânima Educação está protegendo o emprego de aproximadamente 8 mil, incluindo professores e outros profissionais da área da educação.

Veja, a seguir, algumas das empresas que fazem parte do movimento #NãoDemita:

Ânima Educação
Bradesco
BTG Pactual
Camil
C&À
Grupo Boticário
Grupo Pão de Açúcar
Itaú Unibanco
JBS
Lojas Renner
Magazine Luiza
Microsoft
Natura
Nexxera
Porto Seguro
Santander
Vivo
Volkswagen
XP Investimentos

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: