O que vem após a pandemia? Especialistas apostam no Renascimento Digital

gettyimages-JanakaMaharageDharmasena
gettyimages-JanakaMaharageDharmasena

Como o colapso econômico de 1929, o mundo está enfrentando uma contração na escala da Grande Depressão

Na teoria da mudança geracional, William Strauss e Neil Howe explicam que a história se move em “estações”. Entre ciclos de nascimento, crescimento, declínio e renovação, a história oscila entre as estações do despertar e do desenrolar. Essas estações são pontuadas por períodos de crise que acabam por levar a novas ordens sociais.

A atual pandemia da Covid-19 é um período de crise. Na história americana, houve alguns desses períodos, como a Guerra Revolucionária, a Guerra Civil, e o período que une Primeira Guerra Mundial, Grande Depressão e Segunda Guerra Mundial.

Os períodos de crise começam com um catalisador –uma faísca ou evento que ameaça o colapso social. Catalisa uma mudança no humor geral que impulsiona uma sociedade para a ordem social máxima. À medida que o medo se transforma em unidade, o impasse político abre caminho para novas instituições de emergência. Finalmente, surge uma nova geração para estabelecer uma nova ordem cívica.

Como escreve Fareed Zakaria, da CNN, “estamos nos estágios iniciais do que se tornará uma série de crises em cascata, repercutindo em todo o mundo”. A escala e a propagação do contágio do vírus são impressionantes. Em apenas alguns meses, o vírus infectou mais de 2 milhões de pessoas e matou centenas de milhares. Mas há mais a seguir.

Além do grande número de mortes, o choque para o sistema econômico global foi mais repentino e grave do que qualquer pessoa viva já experimentou. Como o colapso econômico de 1929, o mundo está enfrentando uma contração na escala da Grande Depressão.

LEIA TAMBÉM: A história secreta do primeiro coronavírus

Os governos estão agora lutando para proteger as indústrias em colapso. A lista é longa: energia, transporte, construção, imóveis, companhias aéreas, hotéis, restaurantes, linhas de cruzeiro, varejo, atendimento ao cliente e entretenimento. No entanto, à medida que o trabalho e o consumo são removidos da cadeia de suprimentos global, os formuladores de políticas ficam sem poder de resposta. Nos Estados Unidos, 22 milhões de americanos entraram com pedidos de subsídio de desemprego, com previsões que prevêem uma dívida pós-estímulo no valor de US$ 30 trilhões.

Além da própria pandemia, também estamos enfrentando um desdobramento estrutural. Juntas, a crescente dívida (pública e privada), a estratificação de classe, a estagnação econômica e a ameaça de colapso ecológico representam características de uma ordem social agonizante.

A quarta virada

Como Vladimir Lenin bem entendeu, “há décadas em que nada acontece e há semanas em que décadas acontecem”. A atual pandemia está agora conduzindo uma transformação global que irá acabar com o mundo como o conhecemos. Seguindo a teoria geracional de Strauss e Howe, a crise atual pode ser entendida como “Quarta Virada” e marca o fim de uma era.

Períodos de crise dessa magnitude podem terminar em triunfo ou em tragédia. Mas eles inevitavelmente dão origem a novas ordens sociais. Não obstante a angústia que se avizinha, o declínio da ordem atual também representa um novo começo. De fato, cada novo ciclo começa com a crise do último. Além da espiral descendente do consumo de curto prazo e do aumento da dívida, estamos testemunhando o surgimento de uma nova civilização.

Desde o final da Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos supervisionam uma ordem global em expansão, construída com combustíveis fósseis. Essa era chegou ao fim. Abaixo do império dos combustíveis fósseis em colapso, há uma economia verde. O carvão e o vapor alimentaram a Primeira Revolução Industrial, o petróleo e a telefonia alimentaram a Segunda, a tecnologia fez as bases da Terceira, e as energias renováveis ​​e a inteligência artificial (IA) estão agora impulsionando uma Quarta Revolução Industrial.

A próxima revolução industrial

Essa próxima fase da modernização da infraestrutura está enraizada na convergência de uma internet de energia renovável (tecnologias limpas e redes inteligentes), uma infraestrutura de mobilidade e logística digitalizada (veículos elétricos autônomos, AI e IoT) e inteligência humana aumentada.

Nos Estados Unidos, esta Revolução Industrial está sendo liderada por visionários pioneiros como Elon Musk. Os vários projetos de Musk estão lançando as bases para uma nova ordem econômica. Juntos, Tesla, Space X, Solar City, Starlink, The Boring Company, Open AI e Neuralink representam as sementes de uma nova era no empresariado americano.

Ao lado de um setor privado inovador, a ascensão da revolução dependerá de uma nova geração de líderes com capacidade de galvanizar uma enorme força de trabalho de colarinho verde. Na Europa, essa transformação já está em andamento como o Acordo Verde Europeu e na China como o Internet Plus. O projeto de energia limpa mais ambicioso da história, o Acordo Verde da Europa marca o início de uma nova era.

A Era da Máquina

Cada geração encontra seu caminho dentro de estações únicas da história. Mesmo que o impacto econômico do coronavírus acelere o declínio de uma ordem industrial mais antiga, ele já está começando a impulsionar forças contra-centrífugas que irão estimular a renovação cívica. Strauss e Howe se referem a essa renovação cívica como “regeneração”.

No mundo pós-pandemia, o governo estará de volta e o “nacionalismo” será a palavra de ordem. Como o New Deal, um New Deal Verde significará programas nacionais de obras em larga escala, projetados para mitigar uma crescente crise ecológica. Isso incluirá a atualização da grade de energia da América, a transformação de seus edifícios e infraestrutura de transporte, o desenvolvimento de novas tecnologias ecológicas e a otimização da eficiência energética geral do país.

O “grande governo” estará de volta. Mas, como observa Tim O’Reilly, não será como o governo do passado. Na reconstrução pós-crise, grande parte dele será automatizado através do uso de software e tecnologias regulatórias. Transformado por uma revolução no uso de IA e aprendizado de máquina (gerenciamento de decisões, previsão, classificação de dados), o governo será reconcebido.

De fato, as tecnologias orientadas a dados começaram a reformular permanentemente a natureza do trabalho em favor da automação da máquina –particularmente na tomada de decisões. À medida que a IA e o Big Data são implantados em escala, sua capacidade de “industrializar o aprendizado” tornará impossível a competição humana.

De acordo com um estudo recente da Brookings Institution, a automação deve aumentar com a atual crise econômica. E isso faz sentido. Os custos de geração do software para substituir profissionais qualificados são efetivamente zero após o primeiro lote bem-sucedido.

VEJA MAIS: Conheça as pesquisas mais promissoras para a cura do coronavírus

Mesmo que a próxima onda de empregos impulsione uma nova civilização de energia limpa, o impacto do “capital do conhecimento das máquinas” nas classes profissionais será devastador. Mas, à medida que a automação substitui a mão-de-obra, ela também servirá de base para um renascimento digital vindouro.

O Renascimento Digital

Como observa a historiadora Rebecca Spang, revoluções reais são as que ninguém vê chegando. Enquanto a globalização dos bens físicos diminui, a dos bens digitais se acelera. Seis séculos após o Renascimento Europeu, a IA e o aprendizado de máquina estão agora definidos para fornecer as bases para uma civilização digital.

Construindo sobre uma base industrial altamente automatizada, a próxima sociedade pós-crise encontrará seu objetivo em sistemas que catalisam um novo humanitus digital. A assimetria de informação entre humanos e máquinas é a base da economia baseada em dados. Mas também é a base do renascimento digital que se aproxima.

Assim como a Grande Depressão acendeu um século americano através do New Deal, a próxima Revolução Industrial regenera um sistema global em colapso. Liberados da escravidão econômica pela automação e uma renda básica universal, os cidadãos expandirão uma sociedade digital criativa no contexto de uma reconstrução pós-crise.

Assim como a ascensão do capitalismo mercantil no século 14 impulsionou o Renascimento Italiano, a riqueza social e financeira gerada por uma economia baseada em dados está agora pronta para animar uma nova ordem social.

Subjacente a essa transformação, haverá uma reconcepção de aprendizado e educação: da formação de trabalhadores qualificados ao apoio às necessidades dos cidadãos criativos (paideia) como administradores ecológicos. E, assim como o gênio intelectual da antiga Atenas dependia de uma economia de escravidão, uma economia de máquinas liberará novas gerações de artistas, cientistas e engenheiros para criar uma nova ordem social.

Assim como o Renascimento Europeu substituiu dogmas religiosos por humanismo, esse novo Renascimento Digital substituirá os dogmas do mercado pela renovação espiritual e cultural. E, como o Renascimento original, este segundo enfatizará grandes projetos de obras públicas na revitalização de uma civilização exausta. Em vez de colocar a arte a serviço do consumo no mercado, os governos pós-crise financiarão amplos programas sociais de renovação artística e estética.

O jornalista britânico Paul Mason sugeriu que essa crescente sociedade baseada em dados representa o fim do capitalismo. O mais provável é que o sistema seja inteiramente engolido por um oceano de algoritmos. Assim como a ascensão do capitalismo mercantil no século 14 impulsionou o Renascimento Italiano, a riqueza social e financeira gerada por uma economia baseada em dados está agora pronta para animar uma nova ordem social.

Além da pandemia e da ruína econômica, a primavera está chegando.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).