Tigresa de zoológico em Nova York está infectada com novo coronavírus

Getty Images
Com a notícia, autoridades agora recomendam que pessoas doentes encontrem alguém para tomar conta de seus pets

Uma tigresa malaia de quatro anos, Nadia, foi a primeira a dar positivo para o vírus. Acredita-se que ela tenha pegado a infecção de um cuidador, que era assintomático. Essa pessoa também infectou a irmã de Nadia, Azul, além de dois tigres de Amur e três leões africanos na área chamada de Tiger Mountain, de acordo com a Wildlife Conservation Society, que administra o zoológico. Outros tigres na área de exibição da Ásia Selvagem parecem saudáveis.

Somente Nadia foi testada, pois obter amostras requer anestesia geral.

LEIA MAIS: Boris Johnson é internado em hospital para exames após sintomas persistentes de Covid-19

Já sabemos que pessoas assintomáticas podem disseminar coronavírus por pelo menos três dias antes de adoecer.

Recentemente, houve um caso de um gato doente com Covid-19 na Bélgica. Ele foi infectado por seu dono e não há casos do contrário, animais infectando seus donos. O Comitê Científico Belga responsável pela supervisão da doença considerou insignificante o risco de os animais transmitirem infecções aos proprietários.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças e a Associação Americana de Medicina Veterinária reafirmam isso. Seu outro conselho é que, se você estiver doente, tente fazer com que outra pessoa cuide do seu animal de estimação. Se não puder, lembre-se de usar uma lavagem cuidadosa das mãos após entrar em contato com eles e seus itens domésticos.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças e a Associação Americana de Medicina Veterinária reafirmam isso. O outro conselho é que, se você estiver doente, tente fazer com que outra pessoa cuide do seu animal de estimação. Se não puder, lembre-se de lavar cuidadosamente as mãos após entrar em contato com eles e seus itens domésticos.

Pangolins são atualmente considerados um elo importante na transmissão de SARS-CoV-2 de animais para pessoas. Eles servem como um “hospedeiro intermediário”, que abriga o vírus. Isso é semelhante ao que aconteceu na epidemia de SARS, onde civetas (um pequeno gato) desempenharam esse papel.

Nos dois casos, esses animais e morcegos não são os culpados pelas infecções –seu habitat está sendo invadido pelas pessoas e esses animais estão sendo comidos, mesmo estando ameaçados. É por isso que os mercados de animais vivos são vistos como muito arriscados.

Em Wuhan, na China, quase 15% dos gatos testados tinham anticorpos para o vírus SARS-CoV-2, sugerindo que foram infectados por pessoas ou outros gatos.

Por enquanto, as pessoas parecem ser um risco maior para seus animais de estimação do que o contrário. Portanto, tenha cuidado ao lavar as mãos antes e depois de cuidar de seus animais. Se você está preocupado com a possibilidade de seu animal estar infectado, entre em contato com seu veterinário.

Meghan F. Davis, PhD da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg concluiu: “A maioria dos gatos parece assintomática, mas temos poucos dados sobre felinos grandes, então, cruzem os dedos e enviem amor a eles”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).