Bill Gates indica 5 livros para a quarentena

ReproduçãoForbes
ReproduçãoForbes

Para o bilionário –que já havia revelado ler pelo menos um livro toda semana– nada supera o prazer de ler

Bill Gates acaba de divulgar sua lista anual de cinco livros para ler nos próximos meses, esperando que alguns de seus favoritos possam ajudar os leitores a lidar com a pandemia. “A maioria das minhas conversas e reuniões hoje em dia são sobre a Covid-19 e como podemos conter a maré da crise”, escreveu Gates em seu site, “Gates Notes”. Ele e sua esposa, Melinda, orientaram sua fundação a comprometer cerca de US$ 300 milhões na luta contra o coronavírus. “Mas também me perguntam frequentemente sobre o que estou lendo e assistindo.”

Para o bilionário –que já havia revelado ler pelo menos um livro toda semana– nada supera o prazer de ler. Suas mais recentes escolhas incluem duas memórias: uma escrita por uma psicóloga e sobrevivente do Holocausto de 92 anos, Edith Eva Eger, e a outra escrita pelo ex-CEO da Disney, Bob Iger, que reflete sobre seus anos na gigante do entretenimento. Para quem quer aprender mais sobre pandemias, Gates sugere o livro do historiador John M. Barry, de 2004, sobre a pandemia de gripe de 1918, que subiu à lista dos mais vendidos em meio à crise atual.

LEIA MAIS: Os 5 livros favoritos de Bill Gates em 2019

Pela primeira vez, esse ávido leitor também compartilhou seus programas favoritos atuais – para aqueles que procuram uma nova série televisiva. Os Gates gostaram de documentários da Netflix como “Pandemia” e assistem regularmente a várias séries populares, incluindo “This Is Us” (disponível no Prime Video, da Amazon) e “Ozark” (Netflix). Eles também já mergulharam na série da BBC de 1970, “I, Claudius” (não disponível nos catálogos nacionais dos serviços de streaming), que ocorre durante o Império Romano, de acordo com Gates.

Veja na galeria de imagens a seguir as cinco recomendações de leitura de Bill Gates:

  • “A Bailarina de Auschwitz” – Edith Eva Eger

    Edith tinha apenas 16 anos quando ela e sua família foram levados de sua casa na Hungria e enviados para o campo de concentração de Auschwitz. Ela sobreviveu e se mudou para os Estados Unidos, onde se tornou terapeuta. No livro, conta sobre sua busca para se curar após o trauma e analisa como lidar com todo tipo de sofrimento. “Se você está lutando com alguma coisa, essa luta é real –mesmo que você ache sua experiência trivial em comparação à de alguém que sobreviveu a Auschwitz ou cujo filho está sofrendo de uma doença terrível”, escreve Gates. “Acho que isso é algo especialmente importante a ser lembrado agora, enquanto todo mundo tem experiências diferentes com o surto de Covid-19.”

    Divulgação
  • “Atlas de Nuvens” – David Mitchell

    O romance de Mitchell, que segue seis personagens diferentes, incluindo um editor em Londres na década de 2000 e um jovem músico na Bélgica da década de 1930, procura encontrar pontos em comum entre as pessoas no tempo e no espaço. “De certa forma, o que as histórias têm em comum é tão importante quanto o que as torna diferentes”, escreve Gates. “Esta é uma grande história sobre a natureza e os valores humanos –as coisas que mudam e as que não mudam, ao longo de centenas ou mesmo milhares de anos”. Tom Hanks e Halle Berry estrelaram um filme de 2012 baseado no romance de 2004.

    Divulgação
  • “The Ride of a Lifetime”, por Bob Iger (“O Passeio de uma “Vida”, em tradução livre)

    Logo de cara, Gates diz que não lê muitos livros sobre como administrar uma empresa. O livro de Iger, no entanto, é uma exceção, que Gates até recomendou ao diretor-executivo da Microsoft, Satya Nadella. Iger leva os leitores em sua jornada como líder da Disney de 2006 até o início de 2020, durante os anos mais transformadores da empresa, que incluem a aquisição de US$ 4,2 bilhões da gigante do entretenimento e fenômeno dos quadrinhos Marvel e da Lucasfilm por US$ 4,1 bilhões, proprietária da franquia “Star Wars”. “Acho que muitos apreciariam este livro, quer estivesse procurando informações sobre negócios ou apenas deseje uma boa leitura sobre um cara humilde que subiu a escada corporativa para administrar com sucesso uma das maiores empresas do mundo”, escreve Gates. A obra ainda não tem versão em português.

    Divulgação
  • “A Grande Gripe” – John M. Barry

    Este best-seller do “New York Times” de 2004 é a recomendação de Gates para quem quer entender a Covid-19 através das lentes da pandemia de gripe de 1918 e aprender algumas lições de liderança. “Desta vez, temos muito mais ferramentas à nossa disposição para criar vacinas e terapêuticas eficazes. Mas a ciência ainda é mais lenta do que qualquer um de nós gostaria, e pôr fim a esta pandemia exigirá mais do que apenas uma grande ciência”, diz Gates. “Também será preciso muita vontade política, especialmente incentivando o distanciamento social e assegurando que os milagres científicos se espalhem tão longe quanto o próprio vírus.”

    Divulgação
  • “Good Economics for Hard Times” – Abhijit V. Banerjee e Esther Duflo (“Boa Economia para Tempos Difíceis”, em tradução livre)

    Em seu livro de 2019, os economistas ganhadores do Prêmio Nobel participam de debates sobre políticas em países ricos, incluindo os Estados Unidos. O duo de marido e mulher lida com questões como imigração, desigualdade e comércio do ponto de vista econômico, que Gates diz ser compreensível para os leitores que não têm experiência no assunto. “Banerjee e Duflo usam dados extensos para diminuir o zoom e nos mostram uma visão mais ampla dessa dinâmica humana. A pesquisa deles não é uma ciência difícil, como química ou física”, escreve Gates. “Achei a maior parte útil e atraente.” A obra ainda não tem versão em português.

    Divulgação

“A Bailarina de Auschwitz” – Edith Eva Eger

Edith tinha apenas 16 anos quando ela e sua família foram levados de sua casa na Hungria e enviados para o campo de concentração de Auschwitz. Ela sobreviveu e se mudou para os Estados Unidos, onde se tornou terapeuta. No livro, conta sobre sua busca para se curar após o trauma e analisa como lidar com todo tipo de sofrimento. “Se você está lutando com alguma coisa, essa luta é real –mesmo que você ache sua experiência trivial em comparação à de alguém que sobreviveu a Auschwitz ou cujo filho está sofrendo de uma doença terrível”, escreve Gates. “Acho que isso é algo especialmente importante a ser lembrado agora, enquanto todo mundo tem experiências diferentes com o surto de Covid-19.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:
Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

 

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).