Nasa divulga princípios básicos para pacto de exploração lunar

Agência Aeroespacial abre debate para discutir vida e trabalho na Lua.

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS_Brendan-McDermid
REUTERS_Brendan-McDermid

Com o novo acordo, empresas podem extrair recursos lunares para uso próprio

Acessibilidade


A Agência Aeroespacial dos Estados Unidos (Nasa) abriu caminho hoje (15) para um debate global sobre os princípios básicos para se determinar como os humanos viverão e trabalharão na Lua, ao divulgar as principais diretrizes de um pacto de exploração lunar batizado de Acordos de Ártemis.

LEIA MAIS: Tom Cruise, Nasa e Elon Musk se preparam para gravar um filme no espaço

Os acordos pretendem estabelecer “zonas de segurança” que cercariam as bases lunares futuras para evitar o que a Nasa classificou como “interferência danosa” de países ou empresas rivais operando com grande proximidade.

Eles também permitiriam que as empresas possuíssem os recursos lunares que extraem, um elemento crucial para que os prestadores de serviço da Nasa convertam a água gelada da lua para combustível de foguetes ou extraiam minerais lunares para construir plataformas de aterrissagem.

“Através dos Acordos de Ártemis, esperamos que o futuro se pareça muito mais com ‘Star Trek’ e muito menos com ‘Star Wars'”, disse Mike Gold, administrador-associado da Nasa para relações internacionais, ao comentar a linguagem sobre a mineração da lua.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os acordos são uma parte essencial do esforço da agência para cortejar aliados para seu plano de estabelecer uma presença de longo prazo na superfície lunar em consonância com seu programa lunar Ártemis.

O arcabouço será usado como um incentivo para as nações aderirem às normas norte-americanas de comportamento no espaço, disse o administrador da Nasa, Jim Bridenstine, à Reuters.

(com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: