Aprovação de vacina contra Covid-19 da Rússia ocorrerá na primeira metade de agosto

ReutersConnect/Dado Ruvic
ReutersConnect/Dado Ruvic

Segundo fonte, Moscou deve aprovar a nova vacina contra Covid-19 até 15 de agosto

A primeira vacina contra Covid-19 em potencial da Rússia receberá aprovação regulatória local na primeira metade de agosto e será administrada a profissionais de saúde da linha de frente pouco depois, disse à Reuters uma fonte de desenvolvimento a par do assunto.

O Instituto Gamaleya, uma instituição estatal de pesquisa de Moscou, finalizou os primeiros testes de uma vacina baseada em adenovírus em humanos no início deste mês e acredita que iniciará testes de larga escala em agosto.

Leia mais: Forbes promove primeiro webinar sobre Saúde Mental nas empresas. Participe

A vacina receberá aprovação regulatória das autoridades russas durante a realização do teste de larga escala, disse a fonte, mostrando a determinação da Rússia de ser o primeiro país do mundo a aprovar uma vacina contra a Covid-19.

A velocidade com que o país está se mobilizando para apresentar uma vacina levou parte da mídia ocidental a questionar se Moscou está colocando o prestígio nacional acima dos indícios científicos confiáveis e da segurança.

“A aprovação (regulatória) virá nas primeiras duas semanas de agosto”, disse a fonte de desenvolvimento. “10 de agosto é a data esperada, mas com certeza será antes de 15 de agosto. Todos os resultados (do teste) são altamente positivos até agora.”

A fonte acrescentou que os profissionais de saúde russos que tratam pacientes de Covid-19 terão a chance de se oferecer para receberem a aplicação antes de a vacina conquistar a aprovação regulatória.

Separadamente, a agência de notícias russa Interfax citou “uma fonte informada” segundo a qual a vacina será registrada entre 10 e 12 de agosto e administrada a partir de 15 de agosto.

O serviço de imprensa do Fundo de Investimento Direto da Rússia (RDIF), que está coordenando e financiando os esforços russos de desenvolvimento de vacinas, não quis comentar, mas seu chefe, Kirill Dmitriev, negou que a iniciativa está comprometendo a segurança.

“O Ministério da Saúde da Rússia está seguindo todos os procedimentos rígidos necessários. Não está se tomando nenhum atalho”, disse Dmitriev ontem (28).

Ele comparou o que disse ser o sucesso do país no desenvolvimento de uma vacina ao lançamento soviético do Sputnik 1, o primeiro satélite do mundo, em 1957.

Leia também: Receita do Spotify fica abaixo de estimativas com pandemia afastando anunciantes

O Centro Nacional de Segurança Cibernética do Reino Unido disse neste mês que hackers apoiados pelo Estado russo estavam tentando roubar pesquisas sobre vacinas e tratamentos de Covid-19 de instituições acadêmicas e farmacêuticas de todo o mundo –alegação que Moscou negou.

Mais de 100 possíveis vacinas estão sendo desenvolvidas em todo o mundo para tentar deter a pandemia de coronavírus. Ao menos quatro estão na Fase 3 de testes em humanos, a última antes do registro, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) –três na China e outra no Reino Unido. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).